Escolha as suas informações

Um gigante de ferro: a nova atração alemã de Saarland
Viver 2 3 min. 01.08.2022
Alemanha

Um gigante de ferro: a nova atração alemã de Saarland

Alemanha

Um gigante de ferro: a nova atração alemã de Saarland

Foto: Pascal Mitterberger
Viver 2 3 min. 01.08.2022
Alemanha

Um gigante de ferro: a nova atração alemã de Saarland

Pascal MITTELBERGER
Pascal MITTELBERGER
No Luxemburgo, Esch-Belval é o exemplo mais bem sucedido da conversão de terrenos industriais abandonados. Na Grande Região, outros sítios estão a desfrutar de uma segunda vida cultural e turística de uma forma mais modesta. Eis a primeira paragem desta rota: Saarpolygon.

As escombreiras fazem parte da paisagem da bacia carbonífera de Saar-Lorraine há décadas, embora a extração de carvão tenha cessado em 2004 em Creutzwald, do lado francês, e em 2012 em Ensdorf, do lado alemão. 

É precisamente neste município perto de Saarlouis que um terreno baldio simbólico da atividade mineira se transformou numa atracão turística propícia a caminhadas.

Ensdorf é dominada por uma colina artificial visível por quilómetros à volta: a escombreira Duhamel, um monte de resíduos mineiros com 150 metros de altura. Desde 2016, foram acrescentados 30 metros, através de um trabalho escultórico surpreendentemente majestoso. O Polígono do Sarre, ou Saarpolygon, chama a atenção como um farol, quer se ande de bicicleta ao longo das margens do rio ou ao longo da autoestrada que liga Saarbrücken ao Luxemburgo.

A escombreira de Duhamel e o Saarpolygon visto do vale. Em primeiro plano, o Sarre.
A escombreira de Duhamel e o Saarpolygon visto do vale. Em primeiro plano, o Sarre.
Foto: Pascal Mittelberger

Este gigante do aço é fruto de um projeto europeu lançado em 2011. O objetivo na altura era criar um monumento que recordasse o passado de extração de carvão, evocando ao mesmo tempo a mudança estrutural necessária na zona industrial do Sarre. O resultado é o Saarpolygon, desenhado pelos arquitetos berlinenses Katja Pfeiffer e Oliver Sachser.

Subida leva entre 30 a 45 minutos

A estrutura foi montada em 2016 no topo da escombreira, o que despertou imediatamente a curiosidade dos caminhantes. Mas atenção, é preciso merecer uma visita ao Saarpolygon. A subida ao monte só pode ser feita a pé ou de bicicleta. E a caminhada, embora possa ser feita com a família (com bons sapatos, e evitando levar o carrinho de bebé), promete aquecer os músculos das pernas. 

Há dois pontos de partida. O primeiro é na antiga mina de Ensdorf, mas a primeira parte do passeio exige que se caminhe ao longo de uma estrada movimentada antes de enfrentar o monte. É, portanto, preferível partir do parque de estacionamento do complexo desportivo da cidade, listado no Google Maps como "Parkplatz zum Saarpolygon". A partir daí, são apenas algumas centenas de metros e uma pequena estrada a atravessar para chegar ao pé da escombreira. Tudo está bem sinalizado.

Há duas opções para chegar ao topo da escombreira Duhamel.
Há duas opções para chegar ao topo da escombreira Duhamel.
Foto: Pascal Mittelberger

O caminho serpenteia pela encosta, primeiro à sombra das árvores e depois ao ar livre a partir de uma certa altitude. Uma curiosidade da vegetação deste lugar é uma parcela muito pequena de vinha, que dá 300 garrafas de vinho por ano. A meio do caminho, há duas opções para os caminhantes: o caminho clássico e o Steilweg, literalmente um caminho íngreme. Recomendamos a primeira, que já é bastante íngreme.  

A um ritmo constante, a subida leva menos de meia hora. Se for com calma, provavelmente demorará entre 30 e 45 minutos. Mas vale bem a pena. Pouco a pouco, o Saarpolygon aparece na sua totalidade, com a impressão espantosa de que se forma e se deforma, dobra ou desdobra em função do ângulo de visão adotado.

Acesso é gratuito

Falemos sobre a vista. Se já é magnífica no topo da escombreira, depois de se subir os cerca de 130 degraus do Saarpolygon. O acesso à plataforma do gigante do aço, das 8h às 21h, é livre e gratuito. A sinalética é bastante útil.

A paisagem de 360° é uma mistura de florestas e campos montanhosos, áreas urbanas e indústria — são exemplos a siderurgia em Dillingen e a fábrica da Ford, em Saarlouis. O rio Sarre está no coração do vale. Depois de descer da estrutura, não hesite em dar um passeio no grande planalto que forma o topo da escombreira Duhamel. Existem painéis educativos, bancos para descanso, e mesmo um pequeno restaurante e casas de banho.

Tudo o que resta é iniciar a descida, deixando para trás o Saarpolygon e as suas sombras no chão em dias de sol. E uma vez no fundo, dirá certamente a si mesmo, com um olhar de satisfação: "Ah, sim! Era mesmo alto!"

(Este artigo foi originalmente publicado na edição francesa do Luxemburger Wort.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.