Escolha as suas informações

Trabalhos para férias, o paradoxo do cérebro adulto
Opinião Viver 4 min. 15.12.2021
Dicas/Educação

Trabalhos para férias, o paradoxo do cérebro adulto

Dicas/Educação

Trabalhos para férias, o paradoxo do cérebro adulto

Ilustração: Alexandra Brito
Opinião Viver 4 min. 15.12.2021
Dicas/Educação

Trabalhos para férias, o paradoxo do cérebro adulto

Ora então, aproveitando a época natalícia, rica em eventos e preparativos, será que podemos mobilizar os nossos duendes como ajudantes motivados de Pai Natal?

(Ana Cristina Barbosa, psicóloga e Alexandra Brito, professora)

As férias de Natal estão aí à porta para as nossas estimadas crias. Se tiverem oportunidade de trocar impressões com professores ou educadores vão ouvir unanimidade quanto ao cansaço e irritabilidade que apresentam as crianças nestas últimas semanas – "estão impossíveis… já ninguém os atura… estão mesmo a precisar de férias". 

A fadiga acumulada com a rotina escolar é reconhecível nos alunos (mas em abono da verdade, também nos professores) na falta de paciência, no aumentar da agitação do corpo e da mente, na dificuldade de controlar impulsos e no amplificar generalizado da excitação e humores à flor da pele. Entre adultos, nos corredores, começa a ouvir-se que já estão todos a rebentar pelas costuras e que é mesmo necessária uma pausa, quebrar com a rotina e descansar… e até aqui estamos completamente de acordo!

Porém, a ideia de que as crianças ficarão cerca de 15 dias "sem fazer nada" é algo que preocupa sobremaneira os adultos: os professores têm receio que os alunos "percam o ritmo" ou "desaprendam"; pais e mães, por seu turno, encarnam os receios transmitidos pelos professores, acrescidos da confusão que lhes faz o "imenso tempo livre" que os mais novos têm pela frente - que já antes aqui defendemos que nos parece ter origem numa espécie miudinha de inveja da nossa parte, por não termos a mesma sorte.

Portanto, o raciocínio adulto reveste-se de uma grande contradição - os miúdos precisam de férias, mas não podem deixar de trabalhar! Assim começa o princípio dos trabalhos para férias… toda uma lista, "mas só para fazer um bocadinho por dia", variada com todos os domínios de aprendizagem, que é para não haver monotonia. Figuras parentais ultra zelosas ainda acrescentam livrinhos de fichas de exercícios "muito giros". As férias começam a aparentar-se com escola em casa e o odiozinho de estimação pelas tarefas escolares começa a ter bom terreno para se instalar. E lá se vai também o tão reconhecidamente necessário descanso.

Curiosamente, a grande maioria das competências que as crianças estão a aprender e necessitam de praticar fazem parte do nosso dia a dia e não necessitariam de se ver vertidas na repetição do formato papel e lápis das fichas e livros escolares. Para além disto, se forem feitas de forma sentida como divertida, prática e útil, sem associação a trabalho escolar, terão mais facilmente a adesão dos mais novos e serão vividas como experiências significativas, sendo até mais produtivas ao fim e ao cabo.

Ora então, aproveitando a época natalícia, rica em eventos e preparativos, será que podemos mobilizar os nossos duendes como ajudantes motivados de Pai Natal?  

  • Primeiro vamos decorar todas as janelas de casa, usando marcadores próprios para o efeito, fazendo desenhos e escrevendo com as letras mais bonitas possíveis alguns dizeres e votos da estação - forma diferente de treinar a motricidade fina, a caligrafia ou a escrita de primeiras palavras e frases.
  • Há também que escrever postais aos amigos e/ou familiares, quem sabe até aos professores, e escrever carta ao pai natal (para quem tiver a tradição) e levar aos correios - forma excelente de trabalhar a composição escrita,  principalmente se houver depois resposta também.
  • Ajudar a fazer listas de prendas para os primos com descritivo e proposta de orçamento, que há que ajustar a um limite fornecido - forma útil de praticar cálculos.
  • Ir para a cozinha fazer pratos e sobremesas de natal, seguindo as receitas e/ou mudando proporções - para trabalhar as medidas.
  • Escolher livros de Natal e ler histórias à família.
  • Preparar com irmãos e primos um espetáculo de natal, com teatro de histórias criadas em conjunto, com canções conhecidas nas quais podem alterar a letra para adaptar à família, fazendo um bom serrote - e estão a trabalhar a criatividade, a composição narrativa, o sentido rítmico. 

Ensinar a dar antes de receber
O que sugerimos é associar o calendário do advento à semana da bondade. Eis algumas prospostas para pais e filhos de uma psicóloga e de uma professora.

Com estas propostas, ou outras no mesmo espírito, a contradição adulta dilui-se, porque este tipo de "trabalho" sabe a família, sabe a amor, sabe a vida e a sorrisos partilhados no agora e nas memórias futuras.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Apesar de toda a boa intenção, este dar tudo, fazer tudo por eles, é uma falsa forma de os ajudar a serem felizes.
Dicas/Educação
Dicas para lidar com o impacto das infeções, quarentenas e isolamentos na vida dos mais pequenos.
Para nós o calendário do advento tornou-se uma estratégia boa e divertida para ajudar a recuperar o verdadeiro espírito da época, seja no cariz religioso, para quem o tiver, ou no caráter humanista, de reforço de valores como a família, a comunidade, a paz, a solidariedade.
Dicas de Educação
Como em tudo, primeiro definimos com eles as regras, mostramos como se faz, depois acompanhamos enquanto fazem connosco, posteriormente supervisionamos quando fazem por si, em ganhos progressivos de confiança e responsabilidade.