Escolha as suas informações

Redes sociais: Fundador do Facebook promete fazer tudo para evitar situações como o homicídio de Cleveland
Viver 2 min. 18.04.2017 Do nosso arquivo online

Redes sociais: Fundador do Facebook promete fazer tudo para evitar situações como o homicídio de Cleveland

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

Redes sociais: Fundador do Facebook promete fazer tudo para evitar situações como o homicídio de Cleveland

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.
Foto: Reuters
Viver 2 min. 18.04.2017 Do nosso arquivo online

Redes sociais: Fundador do Facebook promete fazer tudo para evitar situações como o homicídio de Cleveland

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, assegurou hoje que irá fazer tudo o que é possível para evitar a repetição de tragédias como o homicídio que foi filmado e divulgado pelo presumível autor naquela rede social.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, assegurou hoje que irá fazer tudo o que é possível para evitar a repetição de tragédias como o homicídio que foi filmado e divulgado pelo presumível autor naquela rede social.

"Temos muito trabalho. Vamos continuar a fazer tudo o que pudermos para evitar este tipo de tragédia", declarou Mark Zuckerberg, que também assume a presidência executiva do Facebook, na abertura de uma conferência anual promovida pela mundialmente reconhecida rede social em San José, na Califórnia.

"Estamos com todo o nosso coração com a família e com os amigos de Robert Godwin Sr", assegurou Mark Zuckerberg.

Robert Godwin Sr, de 74 anos, foi morto no domingo em Cleveland, no Estado norte-americano do Ohio, quando regressava de um almoço familiar de Páscoa.

O presumível homicida, Steve Stephens, de 37 anos, que não conhecida Robert Godwin Sr, registou a morte do idoso num vídeo, que divulgou no mesmo dia através da rede social Facebook.

Em outro vídeo, também divulgado naquela rede social, o suspeito afirmava que já tinha matado 13 pessoas e que preparava o seu 14.º homicídio.

A polícia, que procurou ativamente Steve Stephens em todo o país, informou hoje que o suspeito suicidou-se após uma breve perseguição policial no Estado da Pensilvânia.

As autoridades federais estavam a oferecer uma recompensa na ordem dos 50 mil dólares (cerca de 47 mil euros) para quem prestasse informações para encontrar e deter o suspeito.

Sobre os outros eventuais homicídios cometidos por Steve Stephens, os investigadores policiais não tinham encontrado, até à data, provas que apontassem nesse sentido.

Criticada por não ter sido suficientemente rápida a retirar o vídeo do presumível homicida, a rede social Facebook divulgou na segunda-feira uma cronologia detalhada sobre as publicações na conta pessoal de Steve Stephens.

A rede social assegurou ter bloqueado a conta de Steve Stephens 23 minutos após ter sido alertada a propósito do conteúdo do vídeo e prometeu utilizar novos métodos para melhorar os procedimentos de alerta e evitar que este tipo de vídeos seja partilhado entre utilizadores.

Nesse mesmo dia, a rede social qualificou a morte de Robert Godwin Sr como "um crime horrível".

Entretanto, Steve Stephens, suspeito de assassinar um homem e de transmitir o crime em direto através da rede social Facebook, foi encontrado morto esta terça-feira, 18 de abril, numa viatura, informou a polícia de Pensilvânia, nos EUA, através do Twitter. O homem ter-se-á suicidado após uma perseguição policial.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Desvio de dados afetou 2.645 pessoas no Luxemburgo
O Facebook admitiu à Comissão Europeia que os dados de "até 2,7 milhões" de utilizadores daquela rede social a residir na União Europeia possam ter sido transmitidos de "maneira inapropriada" à empresa britânica Cambridge Analytica. No Luxemburgo, o desvio de dados pessoais de utilizadores do Facebook poderá ter afetado 2.645 pessoas. Em Portugal foram cerca de 63 mil.
(FILES) In this file photo taken on March 22, 2018 a cellphone and a computer screen display the logo of the social networking site Facebook in Asuncion.
Up to 2.7 million people in the European Union may have been affected by the Facebook personal data scandal, the bloc announced April 6, saying they would demand further answers from the social media giant. / AFP PHOTO / NORBERTO DUARTE