Escolha as suas informações

Rainha de Inglaterra completa 96 anos
Viver 3 min. 21.04.2022
Monarquia britânica

Rainha de Inglaterra completa 96 anos

A mais recente imagem oficial, lançada pela ocasião do seu aniversário, mostra a monarca com os seus dois póneis.
Monarquia britânica

Rainha de Inglaterra completa 96 anos

A mais recente imagem oficial, lançada pela ocasião do seu aniversário, mostra a monarca com os seus dois póneis.
Foto: Henry Dallal/Royal Windsor Horse Show/AFP
Viver 3 min. 21.04.2022
Monarquia britânica

Rainha de Inglaterra completa 96 anos

AFP
AFP
A monarca com o reinado mais longo em todo o mundo festeja o seu aniversário esta quinta-feira. Nos últimos anos, Isabel II retirou-se em grande parte da vida pública devido a problemas de mobilidade.

A ocasião será assinalada por tiros de canhão lançados a partir da Torre de Londres e do Hyde Park e pela atuação de uma banda militar, que tocará '"Happy birthday" para felicitar a rainha.

Isabel II, que completou 70 anos no trono em fevereiro deste ano, vai celebrar o dia "em privado", revelou à AFP uma porta-voz do Palácio de Buckingham. Esta quarta-feira, voou de helicóptero para a propriedade real de Sandringham, a 200 quilómetros a norte de Londres.


70 anos no trono. Isabel II é a primeira monarca britânica a completar o Jubileu de Platina
Acompanhou, ao longo das últimas sete décadas, várias crises como o fim do Império Britânico, as greves dos anos 1980, o conflito na Irlanda do Norte, ataques terroristas, o ‘Brexit’ (processo da saída do Reino Unido da União Europeia) e a pandemia de covid-19.

Segundo a imprensa, passará alguns dias na Wood Farm, uma casa relativamente modesta com vista para o Mar do Norte, tão estimada pelo marido o príncipe Filipe, que morreu no ano passado.

Os primeiros meses do seu "Jubileu de Platina", que terá quatro dias de festividades no início de junho, não foram fáceis. Entre os problemas de saúde, a covid-19, acusações de abuso sexual contra o seu filho, o príncipe André — que recentemente chegou a um acordo financeiro com a alegada vítima — e dúvidas sobre o futuro da monarquia e da Commonwealth.

Depois de uma breve hospitalização em outubro, as aparições da monarca tornaram-se raras, embora continue a assumir "tarefas leves" no Castelo de Windsor, na sua maioria por videoconferência.

Isabel II não participou na missa da Páscoa na capela do castelo no domingo passado. Muitas dos seus compromissos previstos para os últimos meses foram cancelados, por vezes à última da hora.

No entanto, a 29 de março, a rainha fez questão de assistir a uma cerimónia religiosa na Abadia de Westminster em honra do príncipe Filipe, que faleceu a 9 de abril de 2021, aos 99 anos.

Isabel II chegou de braço dado com o filho André, apoiada numa bengala, foi vista a caminhar lentamente, levantando-se várias vezes durante o serviço, e a cumprimentar alguns dos participantes. Mas não entrou pela porta principal para limitar o seu esforço. Esta foi a sua primeira grande aparição pública em meses.

A própria tinha confessado em meados de fevereiro que "não se podia mexer", apontando para a perna esquerda durante uma audiência em Windsor.

Monarca usará cadeira de rodas em privado

Segundo a imprensa britânica, Isabell II utiliza uma cadeira de rodas em privado, tendo sido instalado um elevador adaptado na sua residência escocesa em Balmoral.

Para além destes problemas, teve covid-19 em fevereiro, ainda que com "sintomas ligeiros". "Deixa-vos muito cansados e desgastados, não é verdade? Esta horrível pandemia", disse recentemente a monarca aos profissionais de saúde.


Rainha Isabel II
Rainha Isabel II volta a aparecer em público por amor ao príncipe Filipe
A Rainha participou esta terça-feira numa cerimónia religiosa na Abadia de Westminster, em memória do marido, que morreu em abril do ano passado. A cerimónia contou com a presença da Grã-Duquesa do Luxemburgo, Maria Teresa. (Veja as imagens)

"Ela está em grande forma", disse, contudo, o neto Harry à emissora americana NBC na quarta-feira, após uma visita surpresa ao Castelo de Windsor com a esposa Meghan, na semana passada. O casal, agora radicado na Califórnia, já não via a rainha há dois anos.

Desde outubro, Isabel II tem delegado grande parte das tarefas ao filho Carlos, 73 anos, e o herdeiro da coroa. 

De acordo com uma sondagem da Ipsos feita em março, Carlos é muito menos popular do que a mãe — tem uma taxa de aprovação de 43% em comparação com 69% da rainha —, e também muito menos popular do que o seu filho William, de 39 anos (64%).

No inquérito, 42% dos britânicos prefeririam que Carlos abdicasse do trono a favor do príncipe William, cuja esposa Kate é também muito popular (60%).

Mas a recente viagem de William e Kate pelas Caraíbas, para celebrar a relação da monarquia com as antigas colónias por ocasião do Jubileu, causou alguma tensão, nomeadamente sobre o passado esclavagista do Reino Unido, augurando as dificuldades que se avizinham.

O primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, descreveu como "inevitável" a transição do seu país, membro da Commonwealth chefiado pela rainha, para um sistema republicano.

Em ano de Jubileu, a casa real britânica vai ser novamente posta à prova novamente, com a publicação de um livro de memórias do príncipe Harry, previsto para o outono.


Notícias relacionadas

Com uma longevidade sem precedentes no trono do Reino Unido, Elizabeth II bateu esta quarta-feira o recorde de permanência no poder da casa real britânica que pertencia à sua tetravó.
A raínha Elizabeth II