Escolha as suas informações

Que idade é que me dás?
Opinião Viver 25.11.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

Que idade é que me dás?

Diário de uma mãe imigrante a mil

Que idade é que me dás?

Foto: Giorgio Trovato/Unsplash
Opinião Viver 25.11.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

Que idade é que me dás?

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Segundo vários estudos, a maneira como encaramos o passar dos anos tem real impacto no nosso envelhecimento.

Suspeitava deste facto mas esta semana tive a confirmação: pareço mais velha do que o que realmente sou.

Calma, tá tudo bem. Porque na verdade eu sinto-me mais nova que a minha idade real.

- “Que idade tens?”

- “Que idade é que me dás?”, perguntei eu.

- “Tens 37? 39?….”

Eu acho que ele ia continuar até aos 40, mas decidiu parar temendo claramente estar a ir na direção errada.

- “Não, tenho 36”, respondi eu.

Já escrevi aqui que envelhecer é um processo duro, particularmente para as mulheres. Mais duro ainda se a isso acrescentarmos a maternidade, inseguranças e cenas estranhas a acontecer no corpo. 

Mas, no geral, a verdade é que me sinto mais nova sempre que estou entre pessoas da minha idade. Ou até mais novas ainda. Parafraseando o Ronaldo, ainda “sou uma fruta que apetece trincar”.

E não estou sozinha. Vários estudos documentam isso mesmo, incluindo um onde participaram 500.000 americanos.

A nossa perceção da idade vai mudando à medida que envelhecemos. Uma espécie de auto-negação onde tendemos a distanciarmo-nos dos estereótipos negativos associados ao grupo etário a que pertencemos.

Damos o tudo por tudo para nos mantermos vivos, sabendo que o relógio não anda para trás. Mesmo que os cabelos brancos e as rugas não enganem ninguém.

O mais notável é que, segundo estes estudos, a maneira como encaramos o passar dos anos tem real impacto no nosso envelhecimento.

Pensar a idade como alvo positivo traz maior felicidade e mais saúde. Já o pessimismo atrai mais rugas e propensão para doenças mentais.

Agora percebo as pessoas que trabalham até aos 80 ou que mudam de profissão aos 40. As avós boazonas no ginásio a levantar pesos que certamente me fariam estalar a clavícula. E os cinquentões a fazer ultramaratonas.

Já eu consigo juntar acne e cabelos brancos numa só pessoa. Um feito!

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.