Escolha as suas informações

Qual é para si a palavra luxemburguesa do ano?
Viver 09.12.2020

Qual é para si a palavra luxemburguesa do ano?

Qual é para si a palavra luxemburguesa do ano?

Foto: Chris Karaba/Luxemburger Wort
Viver 09.12.2020

Qual é para si a palavra luxemburguesa do ano?

Diana ALVES
Diana ALVES
O Centro para a Língua Luxemburguesa (Zenter fir d’Lëtzebuerger Sprooch (ZLS), na designação original) está à procura da palavra luxemburguesa do ano.

É a primeira vez que o organismo lança este tipo de iniciativa, que existe em vários países, incluindo Portugal. Para eleger o vocábulo do ano no idioma de Dicks, o centro lança um apelo a sugestões. Qualquer pessoa pode enviar a sua proposta até ao meio-dia do próximo dia 15 de dezembro, através do site da zls.lu. Para participar basta inserir nome e apelido, email, número de telefone e localidade, assim como a candidata a palavra do ano.

Entre todas as propostas enviadas, o ZLS fará uma seleção de palavras, e é com base nessa lista que um júri vai eleger a 'Palavra do Ano 2020' (D’Wuert vum Joer 2020, em luxemburguês). Os participantes na iniciativa habilitam-se ainda a ganhar um vale de compras de 100 euros para usar na loja 100% Luxembourg, em Grevenmacher, que vende apenas produtos nacionais, assim como o livro "Aläert, jauwen, Zockerboun", do ZLS.

"A Palavra do Ano 2020" é uma parceria entre o Centro para a Língua Luxemburguesa, a RTL e a rádio 100,7. Em Portugal, a iniciativa é promovida anualmente pela Porto Editora. Na corrida ao vocábulo de 2020 estão 'confinamento', 'covid-19', 'digitalização', 'discriminação', 'infodemia', 'pandemia', 'saudade', 'sem-abrigo', 'telescola' e 'zaragatoa'. Qualquer pessoa pode votar, em palavradoano.pt.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

‘Palavra Luxemburguesa do Ano’ conhecida no dia 28
Duas das pessoas que tenham apresentado propostas habilitam-se a ganhar um vale de compras de 100 euros para usar na loja 100% Luxembourg, em Grevenmacher, que vende apenas produtos nacionais, assim como o livro “Aläert, jauwen, Zockerboun”, do ZLS.