Escolha as suas informações

O meu filho vestiu uma saia cor-de-rosa
Opinião Viver 2 min. 22.04.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

O meu filho vestiu uma saia cor-de-rosa

Diário de uma mãe imigrante a mil

O meu filho vestiu uma saia cor-de-rosa

Foto: Shutterstock
Opinião Viver 2 min. 22.04.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

O meu filho vestiu uma saia cor-de-rosa

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Será que ele tem uma fixação pelo cor-de-rosa? Devo preocupar-me?

Um destes dias, num restaurante onde existe um espaço para as crianças brincarem, o meu filho pegou numa saia de tule cor-de-rosa que estava dentro de um baú com roupas variadas. E pediu para a vestir. E eu vesti. (oh senhores o mundo está perdido!) 

Ele achou piada durante uns minutos. Deu umas voltas, mirou-se a si próprio e depois cansou-se e quis regressar às suas calças de ganga azul-escuras.

A questão para mim não foi a saia, mas o cor-de-rosa, que em muitos casos continua a estar reservado às meninas.  

Sempre me interessei por cores. Ainda grávida e pouco antes das dores do parto, andava eu na azáfama das roupas e roupinhas, bodys, meias, brinquedinhos para o meu rapaz. Não foi muito surpreendente o que encontrei na maioria das vezes: lojas divididas a azul e/ou rosa.  

E onde estava o resto? O salmão, o verde, o laranja, o roxo, amarelo, os padrões coloridos. E as bolas? E os triângulos? E as riscas?

Várias pessoas já me perguntaram em algumas situações se o meu filho é uma ela. Talvez pelos seus incríveis caracóis loiros e pelas suas longas pestanas (invejem meninas). Mas tenho a certeza que é também pelos seus gorros e camisolas coloridas. E galochas vermelhas.  

Assim cresci, e o meu filho ainda cresce num mundo onde ou és uma coisa ou és outra. Ou és rosa ou azul. Ainda não há espaço e liberdade total para outras cores, formas, experiências. Sem julgamentos e juízos de valor.

A meu ver é uma grande pena. (E as festas para revelar o sexo do bebé? Azul para menino, rosa para menina. E por que não cor-de-laranja?).

Há uns dias atrás quando deitava o Martim ele disse-me: "mãe, gosto muito do meu body cor-de-rosa do coala". E note-se que tem vários de inúmeras cores e feitios. 

Será que ele tem uma fixação pelo cor-de-rosa? Devo preocupar-me? Se uma rapariga gostar de azul ou verde também vamos achar problemático? 

Géneros à parte, binários e não-binários à parte, sexos à parte: as cores dão vida, desaborrecem, enriquecem a forma como vemos o mundo. São elementos de brincadeira e expressão.  

Não são elas que vão ditar o caráter de alguém. O sexo, a orientação sexual, a força, o feitio, a delicadeza. Vou permitir e achar normal que ele goste do seu body cor-de-rosa, como gosta da sua camisola às cores ou das suas calças de ganga azuis-escuras. 

No final de contas, o Martim só vestiu uma saia cor-de-rosa. A vida continuou.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.