Escolha as suas informações

O meu filho vai usar fralda até aos 30 anos
Opinião Viver 2 min. 24.06.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

O meu filho vai usar fralda até aos 30 anos

Diário de uma mãe imigrante a mil

O meu filho vai usar fralda até aos 30 anos

Foto: Shutterstock
Opinião Viver 2 min. 24.06.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

O meu filho vai usar fralda até aos 30 anos

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Confesso que já não sei mais o que fazer. Querem saber como o imagino daqui a 27?

O meu filho tem quase três anos.

Querem saber como o imagino daqui a 27?

Ele com os amigos num bar a beber uns copos.

E eis que interrompe para ir à casa de banho pôr “uma fralda para fazer cocó”.

Ele num concerto a curtir um som.

E eis que interrompe para ir à casa de banho pôr “uma fralda para fazer cocó”.

O meu Martim tem quase três anos.

Deixar as fraldas é das poucas batalhas diárias que vou tendo com ele.

 

O problema não é o chichi. Nesse já lá está o check.

O problema é a número dois.

Sempre que a vontade aperta lá vem ele de fralda na mão: “mãe, quero uma fralda para fazer cocó”.

Eu lá dou o quinquagésimo milésimo suspiro. Tiro-lhe os boxers, ponho-lhe a fralda.

“Agora vai fazer o jantar para a cozinha, mãe”, enquanto ele ali fica de cócoras a curtir o seu momento zen.

 

Confesso que já não sei mais o que fazer.

Já me socorri a pediatras, potes, estratégias. A brindes, livros, teoria e mais teoria.

E nada.

Na creche “ça va venir madame. Ne vous inquiétez pas".

Mas é claro que isto me inquieta.

Sobretudo se todas as crianças à sua volta já o tiverem feito.

 

Em adulto é fácil falar, claro.

Mas o que passará pela cabeça de uma criança quando está prestes a expulsar algo das suas entranhas e quando o seu córtex cerebral ainda tem muito para bulir?

Confesso que ainda olho com alguma desconfiança para o buraco da sanita em noites de pesadelos, depois de ter visto um filme de terror há uns vinte anos atrás.

O mesmo faz o meu filho quando o mira lá no fundo num dos meus três milhões de tentativas.

É uma espécie de porta para o abismo.

E segundo a pediatra, ver o produto do seu próprio corpo a ser engolido pelo abismo pode ser assustador.

“Ai, o meu tirou aos 18 meses”, “ai o meu foi super fácil”, “no verão é que vai ser”. Pois bem, o meu não. E desisti de tentar.

“Conheces alguém que use fraldas em adulto?”, perguntava-me uma amiga na semana passada.

De facto não.

Mas há sempre uma primeira vez para tudo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.