Escolha as suas informações

Missão espacial. China recolheu pedaços da Lua
Viver 1 17.12.2020

Missão espacial. China recolheu pedaços da Lua

Missão espacial. China recolheu pedaços da Lua

Foto : AFP
Viver 1 17.12.2020

Missão espacial. China recolheu pedaços da Lua

AFP
AFP
É a primeira missão deste tipo em mais de 40 anos.

O módulo da sonda espacial Chang'e 5 pousou "com sucesso" durante a noite desta quinta-feira na Mongólia, disse a agência espacial chinesa (CNSA). Chegou ao fim, com sucesso, a missão chinesa espacial que recolheu amostras da Lua com o objetivo de compreender melhor o satélite natural da Terra. A missão permitiu também aprimorar as tecnologias necessárias para enviar astronautas chineses à Lua, objetivo de Pequim até 2030.  

A sonda Chang'e 5 - que leva o nome de Chang'e, deusa da Lua na mitologia chinesa - foi lançada a 24 de novembro. Pousou na superfície lunar a 1 de dezembro perto de Mons Rümker, uma formação vulcânica nunca antes explorada. A missão consistiu em recolher cerca de dois quilos de material.  

As imagens da missão foram transmitidas pela televisão pública CCTV. Com esta operação, a China torna-se o terceiro país do mundo a trazer amostras da Lua para Terra, depois dos Estados Unidos e da ex-URSS, nas décadas de 1960 e 1970.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Aliás, desde essa altura que não se traziam amostras sem o envio de astronautas, mais precisamente desde a missão soviética Luna 24, em 1976. Já antes, os Estados Unidos tinham recolhido algumas rochas durante a missão Apollo 17 (1972), mas estas foram trazidas diretamente pelos astronautas, o que exigia menos controlo remoto. "É um feito tecnológico" que permitirá a Pequim "mais confiançA na sua tecnologia", disse Chen Lan, analista da GoTaikonauts.com, especializado no programa espacial chinês".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

China conquista o lado oculto da Lua
A China tornou-se nesta quinta-feira o primeiro país a aterrar uma sonda no lado mais afastado da Lua, a Chang'e-4, informou a televisão estatal, ilustrando os ambiciosos planos espaciais do país.