Escolha as suas informações

Maria Gomes no confessionário
Viver 06.12.2017 Do nosso arquivo online

Maria Gomes no confessionário

Maria Gomes

Maria Gomes no confessionário

Maria Gomes
Foto: Aleida Vieira
Viver 06.12.2017 Do nosso arquivo online

Maria Gomes no confessionário

Nasceu em Cabo Verde, formou-se em Portugal e vive no Luxemburgo desde 2007. Maria Rosário Gomes é presidente da Câmara de Comércio Luxemburgo – Cabo Verde e formadora na Maison des Associations. Enquanto artista plástica conta com várias exposições individuais e coletivas no Luxemburgo, Cabo Verde, Portugal, França e Bélgica.

Nasceu em Cabo Verde, formou-se em Portugal e vive no Luxemburgo desde 2007. Maria Rosário Gomes é presidente da Câmara de Comércio Luxemburgo – Cabo Verde e formadora na Maison des Associations. Enquanto artista plástica conta com várias exposições individuais e coletivas no Luxemburgo, Cabo Verde, Portugal, França e Bélgica. É licenciada em Design de Comunicação pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa.

O que estava a fazer antes desta entrevista?

A preparar uma formação que vou dar na área de informática.

Quando era pequena o que é que queria ser quando fosse grande?

Jornalista, mas acabei por ir parar a uma área totalmente diferente, depois de fazer o curso de Artes e Design Têxtil.

Que outra profissão faria se não fizesse o que faz?

Jornalista.

Se pudesse ter um super-poder, qual seria?

Ajudar a minha comunidade aqui no Luxemburgo.

Se fosse homem seria...

O meu pai.

Se fosse uma personagem histórica seria...

Aretha Franklin.

O defeito de que não consegue livrar-se?

Talvez ser muito transparente.

A qualidade de que mais se orgulha?

Orgulho-me de ser quem sou.

Uma proibição que não suporta?

Quando penso, digo. Não gosto da proibição de liberdade de expressão.

Um livro?

Qualquer um de Fernando Pessoa.

Um disco?

Adoro o Nelson Freitas.

Um filme?

Não sou muito de filmes, mas prefiro filmes biográficos, que permitem conhecer a pessoa por dentro.

Prato preferido?

Lasanha.

Clube do coração?

FC Porto.

Um lugar (país ou sítio)?

Cabo Verde.

Que país nunca vai figurar no seu passaporte?

Não penso em nenhum país específico.

O lugar mais estranho onde já esteve?

Não estou a ver...

O pior e o melhor do Luxemburgo?

O melhor: ser um país multicultural. O pior: a integração dos estrangeiros.

Uma palavra que não gosta de usar?

“Inveja”.

A palavra (ou expressão) que mais usa por dia?

“Tudo positivo!”

Um autor (vivo ou morto) para escrever a sua biografia?

Fernando Pessoa.

Uma coisa que quer mesmo fazer antes de morrer?

Ver os meus filhos singrar na vida.

O que não pode faltar no seu epitáfio?

A data [risos].

Depois desta entrevista vai...

Continuar o meu trabalho.


Notícias relacionadas

“É uma grande responsabilidade como cantora carregar este apelido, mas eu quero guardá-lo comigo para ir o mais longe possível.” Cassandra Lobo é sobrinha daquele que ficou conhecido como “a voz de Cabo Verde”, Ildo Lobo, saudoso líder e vocalista do mítico grupo Tubarões. Cassandra nasceu na ilha de Santiago e reside há 18 anos no Luxemburgo. Em Cabo Verde venceu a primeira edição do concurso “Todo o Mundo Canta”. No Luxemburgo, depois do projeto “Cassandra Lobo Group” (world music), a cantora, que é também educadora de infância, vai lançar em breve o seu primeiro álbum a solo, um regresso às origens, com ritmos de Cabo Verde.
Cassandra Lobo.
O avançado lusodescendente de 31 anos é um dos jogadores com maior número de golos e internacionalizações ao serviço do Luxemburgo. Trocou o F91 Dudelange pelo Racing Luxembourg no final do último campeonato, que venceu, e continua a colecionar títulos.
Carlos Semedo nasceu em Santa Catarina, na ilha de Santiago, tem 49 anos e é casado. Mudou-se para o Luxemburgo com a família em 2015, assumindo o cargo de primeiro embaixador de Cabo Verde no Luxemburgo. Antes deste primeiro posto diplomático, tinha sido diretor-geral dos Assuntos Globais do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, no mandato do ex-primeiro-ministro José Maria Neves.
Carlos Semedo
Carlos Pereira Marques é embaixador de Portugal no Luxemburgo desde novembro de 2014. Iniciou a carreira diplomática em 1986 e ocupou diversos cargos nas representações de Portugal em Berna, Luanda e Viena de Áustria, tendo sido cônsul-geral em Joanesburgo. Em janeiro de 2012, foi nomeado sub-diretor geral de Política Externa no Ministério dos Negócios Estrangeiros. Foi nomeado representante permanente de Portugal junto da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) em março de 2014.
Carlos Pereira Marques foi o principal impulsionador da exposição que o Museu Nacional de História e de Arte do Luxemburgo acolheu em 2016 sobre os 125 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre Portugal e o Luxemburgo
Pedro Castilho tem 45 anos e é o representante da sociedade civil no Conselho Nacional de Estrangeiros (CNE), o órgão de consulta do Governo luxemburguês para as questões de imigração. É funcionário numa instituição bancária luxemburguesa e fundador da Verbalius, uma empresa que dá formações em “public speaking” (falar em público, comunicação e expressão verbal).
Pedro Castilho é filho de operários e hoje trabalha no mundo da finança. Colaborou em associações e projetos ligados ao mundo financeiro e cultural. Émembro das câmaras de comércio indiana e americana no Luxemburgo