Escolha as suas informações

"Mãe, por que é que aquele menino é preto?"
Opinião Viver 05.08.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

"Mãe, por que é que aquele menino é preto?"

Catarina Dias Osorio
Diário de uma mãe imigrante a mil

"Mãe, por que é que aquele menino é preto?"

Catarina Dias Osorio
Pierre Matgé
Opinião Viver 05.08.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

"Mãe, por que é que aquele menino é preto?"

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Um problema em que a geração dos nossos pais claramente não foi bem sucedida. E a minha?

Mais cedo ou mais tarde, isto ia acontecer. E eu não sei se lhe dei a melhor resposta.

Estávamos no parque da Kockelscheuer, onde habitualmente se juntam algumas comunidades estrangeiras para convívios de fim de semana.

Numa dessas tardes de domingo, um menino mais ou menos da mesma idade começou a olhar fixamente para a bola do Martim.

Eu desafiei-os para uma futebolada. Eles, tímidos, lá começaram a fazer rolar a bola. E eis que a pergunta surgiu: "Mãe, por que é que aquele menino é preto?".

Hesitei durante alguns segundos. Foi como se quisesse limpar todas as piadas, pensamentos, atitudes, mesmo as inconscientes, e comentários 'a brincar' que já fiz. Que já todos fizemos. Não adianta negar.

No meu papel de mãe, eu só pensava: como é que eu posso fazer com o que o meu filho lide da melhor forma possível com o problema do racismo? Um problema em que a geração dos nossos pais claramente não foi bem sucedida.

E a minha? Tive colegas negros na escola. Convivo com negros no trabalho. O meu filho tem colegas negros na creche. O que falta então? Falta maior representatividade, falta a mistura. Nós estamos aqui, eles continuam lá.

"Todos temos cores diferentes e isso torna-nos todos especiais", foi o melhor que consegui desenrascar.

Mas o que eu devia ter feito na realidade? Ter falado com a mãe dele, socializar. Tê-lo-ia feito se fosse uma mãe 'branca'?

A meio da brincadeira, o Martim dirigiu-se duramente ao menino, perto da sua cara, para lhe dizer: "Não atires a bola para o ar, senão vai para a água". O pobre rapaz desatou a chorar e a correr em direção à mãe, sentada a poucos metros de mim.

Claramente, o meu filho ainda tem muito a aprender. E eu também. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.