Escolha as suas informações

"La Distillerie". O melhor restaurante vegetariano do mundo é no Luxemburgo
Viver 1 4 min. 20.09.2021
Prémios

"La Distillerie". O melhor restaurante vegetariano do mundo é no Luxemburgo

Prémios

"La Distillerie". O melhor restaurante vegetariano do mundo é no Luxemburgo

Foto: Gerry Huberty
Viver 1 4 min. 20.09.2021
Prémios

"La Distillerie". O melhor restaurante vegetariano do mundo é no Luxemburgo

O restaurante do chef René Mathieu, "La Distillerie", ganhou, pela segunda vez consecutiva, o título de Melhor Restaurante Vegetariano do mundo.

(com Sarah Schött) - Esta segunda-feira, 20 de setembro, a organização "We're Smart Green" selecionou os melhores restaurantes vegetarianos do mundo e, pelo segundo ano consecutivo, "La Distillerie", em Bourglinster, comandada pelo chef René Mathieu, ocupa o primeiro lugar. 

"Para ser honesto, ele é simplesmente o melhor. Conheço o René há mais de 20 anos e acompanhamos o trabalho dele há muito tempo. O grande passo que deu, no ano passado, ao mudar 100% para vegetais precisa de ser apoiado, não pode ser dado como certo ", disse o fundador do "We're Smart Green", Frank Fol, justificando que o facto de René se atrever a fazê-lo o motivou a manter este chefe no lugar cimeiro. 

René Mathieu, que também está à frente do "Château de Bourglinster", ascende agora à categoria dos "fora de série". "Se és o melhor do mundo duas vezes, automaticamente tornas-te 'intocável'. Xavier Pellicer foi o primeiro 'intocável' e acho que René tem o seu lugar lá também. Acho que ele está muito feliz com isso", disse Fol. E tem razão. 

"É mágico, maravilhoso, extraordinário. Eu não esperava isto. Quando recebi o prémio, foi o resultado do trabalho que temos feito há muitos anos. Hoje é mais uma confirmação", disse René Mathieu. 

Com a premiação do ano passado, "mudou tudo nas nossas cabeças, na nossa filosofia, na forma como vemos a cozinha. Como comer da forma mais saudável possível, como trabalhar o mais localmente possível. Graças ao prémio do ano passado, corremos o risco de depender 100% dos vegetais. E, até agora, foi um sucesso. Jamais poderíamos imaginar que tínhamos o poder de mudarmos da noite para o dia, mas também de mudar os hábitos de nossos clientes. As pessoas não olham para nós como um restaurante, vêm aqui para descobrir algo, para ter uma experiência."

A avaliação simbólica do ranking em rabanetes (também eles vegetais) é nova em 2021. E de acordo com o organizador do prémio há planos para incluir hotéis, buffets e produtores de legumes nesta categoria no futuro. "Tudo está a evoluir", garante. 

Antecipando o futuro, o chef premiado também se preocupa em transmitir os seus conhecimentos aos outros. "As pessoas estão a começar a pensar que é hora de mudar alguma coisa, de comer de forma diferente. Temos tantos produtos e plantas locais, há tanto para comer à nossa volta, mas as pessoas não sabem. É preciso mostrar-lhes." 

Mesmo durante o estágio no resturante, os 'chefs' costumam usar vegetais apenas como acompanhamentos ou enfeites. "Dependendo da época, há variedades que estão aí para nós, para o nosso corpo. Temos de aprender isto."

Entre outros projetos, René Mathieu está a trabalhar num novo livro e quer aproximar as crianças ao mundo das hortaliças com a ajuda de uma história em BD. "Gostaria de criar um novo livro sobre o que já está ao nosso redor e o que podes fazer com isso."

Frank Fol também sabe que ainda é preciso muito trabalho para que o valor dos vegetais chegue em pleno à sociedade, mas está confiante: "Hoje, cerca de 40% das pessoas na Europa entendem que temos de mudar os hábitos alimentares. Tem sido muito rápido nos últimos anos, mas ainda há muito trabalho a fazer. E também há um contramovimento porque, em alguns lugares, cada vez mais conceitos para s carne estão a ser desenvolvidos. Eu acho que ambos deveriam ser possíveis. Hoje vou comer um hambúrguer, amanhã um prato de vegetais. O mais importante é quando alguém vai a um restaurante e come vegetais, fica surpreendido e afirma: 'Uau, não sabia que isto era tão bom.' Está aí a mudança". 

(Artigo publicado originalmente na edição francesa do Luxemburger Wort.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.