Escolha as suas informações

Insetos. Porque sou mais mordido do que os outros?
Viver 5 min. 04.07.2022
Saúde

Insetos. Porque sou mais mordido do que os outros?

Saúde

Insetos. Porque sou mais mordido do que os outros?

Foto: Getty Images
Viver 5 min. 04.07.2022
Saúde

Insetos. Porque sou mais mordido do que os outros?

Jeff WILTZIUS
Jeff WILTZIUS
Há vários fatores científicos que podem explicar porque certas pessoas atraem mais os insetos do que outras.

Tanto mosquitos como carraças são atraídos por certos compostos químicos no suor humano, por exemplo ácidos gordos e ácidos lácticos, que podem variar de pessoa para pessoa. Desta  forma, alguns indivíduos têm um cocktail de diferentes aromas que são particularmente atraentes a estes animais. 

Mas, antes disto, as pequenas bestas têm primeiro de encontrar as suas vítimas. Uma substância importante que os ajuda a fazer isto é o dióxido de carbono. À medida que humanos e animais expiram o dióxido de carbono, tornam-se presas fáceis. Quanto mais gás na respiração, mais atraente a vítima se torna. 

Outro fator a considerar é o tipo de sangue. De acordo com um estudo japonês, as pessoas com tipo sanguíneo são abordadas e picadas por mosquitos duas vezes mais vezes do que as pessoas com tipo sanguíneo A. O tipo sanguíneo B estava entre A e o O na escala de popularidade. 

O grau de calor corporal e a composição das bactérias na pele são também fatores decisivos para os insetos na escolha das suas vítimas. Os mosquitos adoram peles com um grande número de bactérias e uma temperatura corporal é elevada, por exemplo, devido à atividade desportiva. 

Mais carraças e insetos este ano?

Segundo o senso comum, parece que este ano há mais insetos e carraças do que o habitual - mas quanto é que isto é cientificamente verdade? Quando o tempo está bom e as temperaturas sobem, o mesmo acontece com os insetos sugadores de sangue, que gostam de um clima quente e húmido. Mas haverá este ano mais insetos do que nos anos anteriores por causa do inverno quente e da primavera húmida? Esta não é uma pergunta fácil de responder. 

A temperatura, a humidade e a duração das fases quentes, frias, secas ou húmidas são importantes para a propagação de mosquitos e carraças sedentos, segundo Alexander Weigand, especialista do Museu Nacional de História Natural (MNHN). 

Por exemplo, existem 900 espécies de carraças no mundo inteiro. No Luxemburgo, é principalmente o carrapato comum (Ixodes ricinus) que está generalizado. Este carrapato vive principalmente em vegetação próxima do solo. "Se os invernos não tiverem sido extremamente frios, a espécie tem uma boa hipótese de formar densidades populacionais mais elevadas", explica o perito. Mas como as diferentes espécies têm janelas de incubação fixas, as condições meteorológicas favoráveis devem prevalecer no momento apropriado. "Tudo isto é um pouco mais complexo do que um sim ou não geral. Mesmo entre todas as espécies de carraças ou mosquitos, é impossível dar uma resposta geral à pergunta, uma vez que cada espécie tem requisitos ecológicos diferentes do seu ambiente.  A juntar um bom timing

Novas espécies exóticas 

A juntar a isto, existem as novas espécies que estão sempre a ser acrescentadas, tais como o vespa asiática (Vespa velutina nigrithorax) ou o mosquito Aedes japonicus. "No entanto, este último não deve ser confundido com o mosquito tigre asiático (Aedes albopictus), que ainda não foi detetado no país", explica Weigand. 

No entanto, é difícil determinar no geral como é que estas espécies exóticas chegam ao Luxemburgo. "Para algumas espécies não nativas, é simplesmente a mudança climática que favorece a sua propagação. É o caso de certas abelhas selvagens ou do carrapato Auwald (em luxemburguês, Suppenzeck). 


 Le chikungunya, la dengue, ou encore le virus Zika, sont des maladies qui planent au-dessus de nos têtes avec l'arrivée de l'insecte dans nos contrées.
Chegada do mosquito tigre asiático ao Luxemburgo "é inevitável"
O mosquito tigre asiático é particularmente preocupante por causa das doenças que pode transmitir, como a dengue e o Zika. Já foi avistado nos países vizinhos.

O mesmo não se pode dizer em relação à vespa asiática. Foi introduzida no sudoeste da França e espalhou-se pela Europa Central devido às condições adequadas.

Outras espécies, como a carraça gigante Hyalomma, chegam ao país através de aves migratórias. "Depois de terem sido introduzidas e crescido até à idade adulta, os seus anfitriões finais, como os cavalos, estão também aqui infestados. De acordo com o perito, uma dessas espécies já foi capaz de passar o inverno na Alemanha. 

Outros pequenos animais fizeram o seu caminho desde o Mar Negro até ao Grão-Ducado através do Canal Main-Danúbio e do Moselle. "As moscas domésticas estarão provavelmente também presentes no nosso país num curto espaço de tempo. 

(Artigo original publicado na edição alemã do Luxemburger Wort. Editado pelo Contacto.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A proposta assinada por mais três países vai ser discutida esta terça-feira pelos ministros da Agricultura e pretende impedir o uso cruel de tigres e animais exóticos como animais de estimação, que se estima serem muitos milhões, e que ameaçam a saúde de humanos e a biodiversidade na UE.