Escolha as suas informações

Imigrante lança livro para ajudar crianças de famílias lusófonas no Luxemburgo
Viver 2 min. 25.10.2021
Literatura infantil

Imigrante lança livro para ajudar crianças de famílias lusófonas no Luxemburgo

Literatura infantil

Imigrante lança livro para ajudar crianças de famílias lusófonas no Luxemburgo

Viver 2 min. 25.10.2021
Literatura infantil

Imigrante lança livro para ajudar crianças de famílias lusófonas no Luxemburgo

Lusa
Lusa
O livro "O Papagaio Imigrante", de Cíntia Ertel, surgiu para ajudar as crianças descendentes de imigrantes oriundos de países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa a ter maior sucesso escolar.

Cíntia Ertel, uma imigrante brasileira a viver no Luxemburgo desde 2012, lançou, este mês, um livro infantil para ajudar as crianças descendentes de famílias lusófonas a terem sucesso escolar no país. 

O livro "O Papagaio Imigrante" surgiu para ajudar as crianças descendentes imigrantes oriundos de países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) a ter maior sucesso escolar conseguindo aprender "de forma mais lúdica" o alemão, que é a língua em que aprendem a ler a escrever, explicou Cíntia Ertel à Lusa. 


Maite. A menina de oito anos que escreveu um livro em português sobre a covid-19
"Covi, o pequeno coronavírus" é o livro infantil que explica a covid-19 aos mais pequenos, em português.

A autora tirou um doutoramento na Universidade do Luxemburgo, na área da Psicologia Educacional de crianças imigrantes, mais precisamente sobre dificuldades linguísticas das crianças portuguesas no ensino luxemburguês.

Durante quatro anos teve contacto direto com estas crianças, descendentes de portugueses, brasileiros e cabo-verdianos, e percebeu que a língua era difícil por ser a terceira que estavam a aprender, sendo o português a familiar, o luxemburguês a do quotidiano e a alemã a escolar, e porque as crianças não "praticavam a língua com as suas famílias". 

O livro tem ilustrações da brasileira Agnes Antonello
O livro tem ilustrações da brasileira Agnes Antonello
Foto: DR

Ao terminar o doutoramento, foi trabalhar para uma 'maison relais' (um ATL) e constatou que as crianças com ascendência portuguesa, no geral, estavam cada vez mais desmotivadas com a escola. A autora disse à Lusa que sempre escreveu, mas a pandemia fez com que iniciasse este projeto de "um livro bilingue". O livro está também disponível em Portugal e tem um site próprio.

A estória do livro baseia-se num papagaio que se vai embora do Brasil, juntamente com a sua namorada, a arara, devido ao descontentamento que sente no país. Segundo a autora, é uma crítica à conjuntura atual no seu país natal, desde a desflorestação à inflação de preços. 

Segundo dados do instituto de estatísticas luxemburguês Statec, de janeiro de 2021, vivem oficialmente no Luxemburgo 94.335 portugueses, 2.604 brasileiros, 2.557 cabo-verdianos, 394 guineenses, 62 angolanos, 30 são-tomenses e 05 moçambicanos.


Cadê a bandeira de Luxemburgo, mamãe?
Apesar de ter nascido no Luxemburgo, o meu filho diz sempre “sou brasileiro e alemão” e nunca “sou luxemburguês”. Mas quando estamos no Brasil, ele pede para voltar para casa, em Luxemburgo. Já vivo há seis anos aqui, mas ainda me sinto imigrante. Por que não consigo chamar Luxemburgo de “minha casa”?

Cerca de 5.319 brasileiros já obtiveram a nacionalidade luxemburguesa por descenderem de imigrantes luxemburgueses no Brasil.

Cíntia Ertel explicou à Lusa que está a surgir uma segunda vaga de imigração brasileira no Luxemburgo. A primeira foi das pessoas que partiram do Brasil para Portugal e posteriormente para o Luxemburgo. A segunda vaga é a de brasileiros que vão diretamente para o Grão-Ducado.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Chama-se Maria e fala português desde menina, mas é luxemburguesa dos quatro costados. Maria Hoffmann aprendeu português em criança, em Larochette, nos anos 1970. A menina luxemburguesa pediu para frequentar um dos primeiros cursos de língua portuguesa organizados para imigrantes.
ITW Maria Hoffmann - Photo : Pierre Matgé
A presença dos portugueses no Luxemburgo também deixou marcas na ficção. De personagens secundárias a protagonistas de romances policiais, os portugueses vão conquistando páginas nos livros luxemburgueses. Uma evolução que reflecte a realidade da imigração no país, garante o director do Centro Nacional de Literatura.
A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. A viver entre Lisboa e o Grão-Ducado, a geógrafa, de 35 anos, é autora de vários estudos sobre os portugueses, incluindo uma tese de doutoramento em que analisa a mobilidade entre os dois países. Diz que o Luxemburgo se “lusificou” e que a emigração portuguesa levou à criação de um “espaço transnacional” que podia servir de modelo para uma Europa sem fronteiras.