Escolha as suas informações

Fuselo, o rei dos ares. Foi o mais voo longo de sempre de uma ave migratória
Viver 28.10.2022
Recorde

Fuselo, o rei dos ares. Foi o mais voo longo de sempre de uma ave migratória

Recorde

Fuselo, o rei dos ares. Foi o mais voo longo de sempre de uma ave migratória

Foto: DR
Viver 28.10.2022
Recorde

Fuselo, o rei dos ares. Foi o mais voo longo de sempre de uma ave migratória

Lusa
Lusa
Voou mais de 13.000 quilómetros entre o Alasca e a ilha da Tasmânia na Austrália, anunciou na sexta-feira a organização Birdlife.

O voo mais longo de sempre de uma ave migratória foi protagonizado este ano por um fuselo que voou mais de 13.000 quilómetros entre o Alasca e a ilha da Tasmânia na Austrália, anunciou hoje a organização Birdlife.

O voo, de 13.560 quilómetros sem paragens e que durou apenas 11 dias, foi registado com recurso a um chip GPS de rastreio e um pequeno painel solar colocados na ave, o que permitiu a uma equipa internacional de investigação seguir a sua primeira migração anual através do Oceano Pacífico, contou à agência Associated Press o especialista da Birdlife Tasmania Eric Woehle.

Com apenas cinco meses de vida, a ave deixou o sudoeste do Alasca em 13 de outubro e chegou dia 24 à baía de Ansons, na ponta nordeste da Tasmânia, segundo os dados recolhidos pelos investigadores do Instituto de Ornitologia Max Plank.

De acordo com as informações registadas no transmissor, a ave teve várias oportunidades de parar para se alimentar e descansar em várias ilhas tropicais ao atravessar o Oceano Pacífico, mas optou sempre por continuar a voar.

Segundo o Livro dos Recordes do Guinness, citado pela AP, o mais longo voo migratório sem paragens registado até hoje é de 12.200 quilómetros e foi realizado por um outro exemplar da mesma espécie, que viajou do Alasca até à Nova Zelândia.

Segundo a agência Europa Press, estas aves migram anualmente entre os seus locais de reprodução no hemisfério norte, geralmente encontrados na tundra da Sibéria ou Alasca, para os seus locais de não reprodução na Austrália e Nova Zelândia.

A distância total acumulada ao longo da vida desta ave na sua migração anual entre a Australásia e o hemisfério norte seria equivalente a voar para a lua e regressar.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.