Escolha as suas informações

Cinco coisas que tem de saber sobre a Schueberfouer
Viver 4 min. 16.08.2022
Feira popular

Cinco coisas que tem de saber sobre a Schueberfouer

Feira popular

Cinco coisas que tem de saber sobre a Schueberfouer

Foto: John Oesch
Viver 4 min. 16.08.2022
Feira popular

Cinco coisas que tem de saber sobre a Schueberfouer

Sarita RAO
Sarita RAO
A Schueberfouer já existe há 681 anos. Começou como um mercado, mas hoje é muito mais. Descubra cinco curiosidades sobre a maior feira popular do Luxemburgo.

A segunda quinzena de agosto significa geralmente o início de três semanas de diversão e adrenalina na Schueberfouer. Frequentada por cerca de dois milhões de pessoas da Grande Região, está repleta de divertidas bancas de feira, carrosséis, montanhas-russas e iguarias gastronómicas.

A edição deste ano decorre de 19 de agosto a 7 de setembro. Pela primeira vez desde o início da pandemia, as celebrações estão de volta em pleno andamento.

1. Como começou

João o Cego, Conde do Luxemburgo e Rei da Boémia fundou a feira em outubro de 1340 como um mercado de oito dias para assinalar o Dia de São Bartolomeu (24 de agosto). Foi um evento de grande importância económica para a região, já que o Luxemburgo ocupava um lugar central na estrada que ligava a Itália à Flandres. Originalmente, era o local para comprar a cerâmica e porcelana, tecidos e artigos domésticos, bem como produtos agrícolas e gado.


Schueberfouer. Quase 700 anos de história da maior feira popular do Luxemburgo
A festa que se realiza no Grão-Ducado desde 1340 é insubstituível e foi em tempos muito mais do que uma feira popular.

A partir do século XVI, tornou-se um dos maiores mercados de gado bovino da região, onde se podia comprar porcos, cabras, ovelhas e até cavalos. A feira foi originalmente realizada no Plateau Saint Esprit, pelos restos da fortaleza da cidade "Schuedbuerg", mas como a área era estreita, mudou-se em 1610 para Limpertsberg, a norte de Allée Scheffer, depois de uma área arborizada ter sido desbravada para proporcionar o espaço grande perfeito. 

A partir do século XVIII, cresceu para se tornar mais do que um simples mercado, com concertos, danças e jogos de habilidade. Por volta de 1840, foram montados os primeiros carrosséis. Em 1893, quando Limpertsberg se tornou mais urbanizada e se deu início ao desmantelamento das muralhas da fortaleza da cidade, a Schueberfouer mudou-se para os campos de Glacis. No início do século XX, uma roda gigante e uma montanha-russa juntaram-se à feira, e em 1929 foi também acrescentada uma braderie (mercado de rua).

2. O nome

Há duas teorias sobre a origem do nome Schueberfouer. Alguns dizem que deriva da localização original em Schuedbuerg, que lhe deu o nome Schuedebergermesse, que mais tarde se tornou Schueberfouer (Fouer significa feira em luxemburguês). Outros dizem que deriva da palavra alemã Schober, que pode significar celeiro ou pilha, simbolizando onde a colheita seria mantida, uma vez que Schueberfouer foi inicialmente um festival agrícola.

É tradição os músicos deambularem pela cidade a tocar a marcha, acompanhados por um pastor e por várias ovelhas.
É tradição os músicos deambularem pela cidade a tocar a marcha, acompanhados por um pastor e por várias ovelhas.

3. Dia de Kirmes 

No Kiermessonndeg (Dia de Kirmes, ou domingo da festa paroquial), a 4 de setembro, é tradição os músicos deambularem pela Cidade do Luxemburgo e tocar a Marcha Hämmelsmarsch ou Mutton. São acompanhados por um pastor e por várias ovelhas. Há uma fonte na cidade velha que retrata esta cena, do escultor local Wil Lofy, que faleceu no verão passado.


Schueberfouer. Conheça as novidades da maior feira popular do Luxemburgo
Há novos horários e carrosséis.

A música também é tocada na abertura da feira, no meio do rebanho de ovelhas. A letra da Hämmelsmarch foi escrita pelo poeta luxemburguês Michel Lentz, e a cerimónia de abertura reúne os músicos, ovelhas e o burgomestre da Cidade do Luxemburgo, juntamente com muitos políticos que são convidados para uma digressão seguida de Kiermesham (presunto) e Kiermeskuch (bolo).

4. Lämmy, a mascote 

A mascote da Schueberfouer chama-se Lämmy, uma ovelha vestida com as tradicionais roupas camponesas azuis dos músicos do século XIX. Foi criada pelo cartoonista e artista Emile Schlesser (ou Milli) e adorna grande parte das embalagens para as guloseimas que se podem comprar na feira.

5. As delícias da feira

Fouerfësch é um peixe frito numa massa de cerveja, mas os foliões também apreciam os gromperekichelcher (bolos de batata fritos), churros, amêndoas torradas e torrões, com um copo de Crémant ou cerveja.

O peixe frito em massa de cerveja é uma das especialidades da feira.
O peixe frito em massa de cerveja é uma das especialidades da feira.
Foto: Guy Wolff/Luxemburger Wort

Há mais de 200 bancas, stands e carrosséis, incluindo algumas das montanhas-russas mais recentes. A feira termina normalmente com um espetáculo de fogo-de-artifício.


Schueberfouer. Feirantes do Luxemburgo, dos países vizinhos e até da Austrália
A 'Fouer' regressa este ano ao formato habitual entre 19 de agosto e 7 de setembro.

O que vai acontecer este ano?

A maior feira de diversões do Luxemburgo decorrerá diariamente desde finais de agosto a princípios de setembro no Champ du Glacis, num local com mais de quatro hectares. 

A abertura oficial é já nesta sexta-feira, 19 de agosto, às 17h, quando todos são convidados a seguir a Hämmelsmarsch (marcha das ovelhas) à volta das bancas e dos carrosséis. Haverá o Dia da Família a 24 de agosto e os bilhetes para as diversões serão a metade do preço a 7 de setembro, das 12h às 20h, no último dia da feira, que encerrará com o tradicional fogo de artifício.

A feira estará aberta sete dias por semana, das 12h até à 1h.

(Este artigo foi originalmente publicado no Luxembourg Times)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.