Escolha as suas informações

As mulheres não cagam flores
Opinião Viver 2 min. 04.11.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

As mulheres não cagam flores

Diário de uma mãe imigrante a mil

As mulheres não cagam flores

Opinião Viver 2 min. 04.11.2022
Diário de uma mãe imigrante a mil

As mulheres não cagam flores

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Temos de ultrapassar este trauma coletivo de que o rabo das mulheres serve uma função biológica.

O assunto chegou-me por sugestão de uma amiga e mãe, depois de esta ter ouvido na creche dos seus filhos alguém dizer a uma menina que o seu cocó malcheiroso não era digno de uma lady.

Sim, porque toda a gente sabe que as mulheres cagam flores.

Lamento a falta de sobriedade, mas estas sereias glamorosas têm rabo.

E este não serve só para fazer squats e ficar bonitinho dentro das calças de licra no ginásio. Isto é notório caso de embaraço para muitas.

Num artigo de 2019 no The New York Times, Jessica Bennett e Amanda McCall escrevem que a “vergonha de cagar é real e afeta desproporcionalmente as mulheres”, trazendo inclusive problemas de saúde para muitas.

“As mulheres não nascem com a vergonha de fazer cocó, é algo que lhes é ensinado” numa sociedade patriarcal.

Ninguém está preparado para ver (mesmo que mentalmente) uma mulher na sanita. Nem mesmo as próprias mulheres.

O embaraço, a pressa, o medo de quem vem a seguir, o cheiro. Reparos que começam para muitas ainda em crianças.

Tememos a casa de banho porque cocó não combina com a pureza e elegância de uma lady.

Já nos homens o tema é fonte de riso e de alguma virilidade.

Temos em casa um jogo de memória (para pequenos e grandes) que se intitula “Who made this poop?” (“quem fez este cocó?”). O jogo tem como objetivo ligar os animais com o seu próprio cocó, e inclui um humano.

Adivinhe quem é o sexo que o representa…

Há alguns anos, num dia de estudo na faculdade lembro-me de uma colega que se levantou repentinamente da cadeira e disse: “Shit, I need to poop” (“raios, tenho de cagar”).

Foi das raras vezes na vida em que ouvi uma mulher dizê-lo sem pruridos.

E em que concluí que o assunto ainda era tabu pela minha própria perplexidade.

Temos de ultrapassar este trauma coletivo de que o rabo das mulheres serve uma função biológica. Uma mulher que vai à casa de banho regularmente é feliz porque tudo vai bem no seu trato digestivo.

Ai, mas são tão graciosas. Sim, e o Brad Pitt não continua a ser charmoso?

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.