Escolha as suas informações

Aline Schiltz no confessionário
Viver 2 min. 27.09.2017 Do nosso arquivo online

Aline Schiltz no confessionário

Lugar preferido? “A Peninha, na serra de Sintra. É um bom lugar para meditar na vida”, diz Aline Schiltz

Aline Schiltz no confessionário

Lugar preferido? “A Peninha, na serra de Sintra. É um bom lugar para meditar na vida”, diz Aline Schiltz
Foto: Gerry Huberty
Viver 2 min. 27.09.2017 Do nosso arquivo online

Aline Schiltz no confessionário

A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. Tudo começou com uma tese sobre o Fiolhoso, a “aldeia mais luxemburguesa de Portugal”, durante um Erasmus que fez em Lisboa. Foi também na capital portuguesa que fez mestrado em Geografia Humana, na área das migrações.

A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. Tudo começou com uma tese sobre o Fiolhoso, a “aldeia mais luxemburguesa de Portugal”, durante um Erasmus que fez em Lisboa. Foi também na capital portuguesa que fez mestrado em Geografia Humana, na área das migrações.

A geógrafa, de 37 anos, é ainda autora de uma tese de doutoramento em que analisa a mobilidade entre Portugal e o Luxemburgo.

Aline Schiltz tem duas filhas, ambas nascidas em Lisboa, e fala fluentemente português. Atualmente, faz parte do Conselho de Administração do Instituto Luxemburguês de Investigação Sócio-Económica (Liser, na sigla em inglês) e colabora com a Agência dos Direitos Fundamentais da União Europeia.

O que estava a fazer antes desta entrevista?

A amamentar.

Quando era pequena o que é que queria ser quando fosse grande?

Pequena.

Que outra profissão teria se não fizesse o que faz?

Não queria mudar.

Se pudesse ter um super-poder, qual seria?

Voar.

Se fosse homem seria...

Quereria ser mulher.

Se fosse uma personagem histórica seria...

A Melusina [sereia que faz parte da mitologia luxemburguesa].

O defeito de que não consegue livrar-se?

Não tenho defeitos.

A qualidade de que mais se orgulha?

Não ter defeitos.

Uma proibição que não suporta?

Líquidos na bagagem de mão.

Um livro?

Muitos.

Um disco?

Vários.

Um filme?

“Searching for Sugar Man”, de Malik Bendjelloul.

Prato preferido?

A canja do Hugo e o bolo da Joana.

Clube do coração?

Nenhum.

Um lugar (país ou sítio)?

A Peninha, na serra de Sintra. É um bom lugar para meditar na vida.

Que país nunca vai figurar no seu passaporte?

Coreia do Norte.

O lugar mais estranho onde já esteve?

Austrália, porque as estrelas brilham de outra maneira.

O pior e o melhor do Luxemburgo?

O pior do Luxemburgo: os jardins feitos de pedras. O melhor: os meus amigos.

Uma palavra que não gosta de usar?

“Cabeleireiro”.

A palavra (ou expressão) que mais usa por dia?

“Vamos!”.

Um autor (vivo ou morto) para escrever a sua biografia?

Juli Zeh [escritora alemã].

Uma coisa que quer mesmo fazer antes de morrer?

Viver.

O que não pode faltar no seu epitáfio?

O ponto final.

Depois desta entrevista vai...

Dormir.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Mulheres portuguesas no Luxemburgo, para lá do estigma da empregada de limpeza
São sete exemplos de mulheres portuguesas no Grão-Ducado, longe do estereótipo da empregada de limpeza. Os testemunhos foram recolhidos no livro "Olhares sobre a história e o quotidiano das mulheres no Luxemburgo desde 1940", que dedica um capítulo à imigração portuguesa no feminino e vai ser apresentado este domingo em Dudelange.
Paulo Lobo no confessionário
O fotógrafo português Paulo Lobo é chefe de redacção da revista “Wunnen”, depois de várias colaborações com revistas e jornais, tanto enquanto fotojornalista como repórter.
Paulo Lobo.
Sónia da Silva no confessionário
Trocou o jornalismo pela comunicação, mas a escrita continua a fazer parte da sua vida. Sónia da Silva é responsável pela comunicação do Museu Nacional de História e Arte, que exibe atualmente a exposição “Portugal – Drawing the world”, sobre os Descobrimentos portugueses.
Sónia da Silva
José Manuel Saraiva no confessionário
José Manuel Saraiva nasceu em 1946 em Santo António de Alva (Oliveira do Hospital) e vive desde 2010 entre o Luxemburgo e Lisboa. Jornalista durante largos anos em Portugal, José Manuel Saraiva dedica-se ultimamente aos documentários e ao romance.
José Manuel Saraiva
“O Luxemburgo sofreu um processo de lusificação”, diz investigadora
A investigadora luxemburguesa Aline Schiltz estuda a emigração portuguesa para o Luxemburgo desde 2003. A viver entre Lisboa e o Grão-Ducado, a geógrafa, de 35 anos, é autora de vários estudos sobre os portugueses, incluindo uma tese de doutoramento em que analisa a mobilidade entre os dois países. Diz que o Luxemburgo se “lusificou” e que a emigração portuguesa levou à criação de um “espaço transnacional” que podia servir de modelo para uma Europa sem fronteiras.