Escolha as suas informações

“Acreditamos no Deus de Einstein!”
Viver 2 11 min. 08.01.2022
Cientistas Grichka e Igor Bogdanov

“Acreditamos no Deus de Einstein!”

Os cientistas franceses Igor (à esquerda) e Grichka Bogdanov (à direita)
Cientistas Grichka e Igor Bogdanov

“Acreditamos no Deus de Einstein!”

Os cientistas franceses Igor (à esquerda) e Grichka Bogdanov (à direita)
Foto: Guy Jallay
Viver 2 11 min. 08.01.2022
Cientistas Grichka e Igor Bogdanov

“Acreditamos no Deus de Einstein!”

Redação
Redação
Em 2015, os gémeos Grichka e Igor Bogdanov, estiveram no Luxemburgo pela primeira vez. Ao CONTACTO e ao Luxemburger Wort os irmãos concederam uma das únicas três entrevistas que deram na sua breve passagem de algumas horas em território luxemburguês. Recorde-a.

Os cientistas franceses Grichka e Igor Bogdanov estiveram no Luxemburgo pela primeira vez. Os irmãos gémeos, com 65 anos (nasceram em 1949), ficaram famosos nos anos 1980 pelo seu programa de televisão juvenil de vulgarização científica “Temps X”, que passava na televisão francesa. Vieram ao Luxemburgo para participar no “ICT Spring Europe 2015", o encontro de empresas do ramo das novas tecnologias, promovido pela empresa luxemburguesa Farvest e que decorreu na terça e na quarta-feira no novo centro de conferências do Kirchberg.

Grichka é matemático e Igor é físico teórico, com teses de doutoramento feitas na Universidade de Borgonha. São também docentes na Universidade Megatrend de Belgrado (Sérvia).

Ao CONTACTO e ao Luxemburger Wort os irmãos concederam uma das únicas três entrevistas que deram nesta sua breve passagem de algumas horas em território luxemburguês. Uma conversa que girou em torno do nascimento e da idade do Universo, da emergência da inteligência artificial e dos computadores quânticos, das viagens interestelares e até de Deus.

Mas a entrevista começou ao contrário, com os irmãos a fazerem a primeira pergunta e a quererem saber porque razão existia um jornal português no Luxemburgo.

Grichka e Igor Bogdanov (G. e I.B): Um jornal português? No Luxemburgo?

CONTACTO: Um quinto da população do Luxemburgo é portuguesa e se acrescentarmos também a lusófona chegamos a um quarto da população que fala português.

G. e I.B: Oh, que interessante. Sabe, um dos nossos grandes amigos é português. É filho daquele realizador português que morreu recentemente...

CONTACTO: O Manoel de Oliveira?...

G. e I.B: Sim, exactamente, somos grandes amigos do filho do Manoel de Oliveira, o José de Oliveira [trata-se de José Manuel Brandão Carvalhais de Oliveira, nascido em 1944, e que é pouco mais velho que os irmão Bogdanov, ndR].

CONTACTO/Luxemburger Wort: O vosso tema de predilecção é o Big Bang e o nascimento do Universo, aliás foi o tema de tese dos vossos doutoramentos. Mas nos vossos livros mais recentes têm vindo a defender uma nova teoria, a de que o Universo é redondo. Como chegam a essa conclusão? Podem explicar-nos com palavras simples?

G. e I.B: A noção de Universo e da sua forma colocam-se hoje da mesma forma do que quando houve a discussão sobre se a Terra era plana ou redonda. Hoje em dia, a comunidade científica pensa que o Universo é plano, mas o meu irmão e eu afirmamos que é redondo.

Neste tipo de conceito temos que pensar em três dimensões, porque vivemos num espaço em três dimensões: o comprimento, a largura e a altura. Imaginemos que podemos caminhar no Universo: se o Universo for plano, caminharemos para o infinito, sem nunca voltar ao mesmo lugar. Mas se o Universo é redondo, como nós pensamos, regressaremos mais tarde ou mais cedo ao mesmo lugar. 

Igor (à esquerda) e Grichka (à direita) dizem que os seus últimos cálculos apontam para que o Universo seja redondo como uma bola de futebol a três dimensões
Igor (à esquerda) e Grichka (à direita) dizem que os seus últimos cálculos apontam para que o Universo seja redondo como uma bola de futebol a três dimensões
Foto: Guy Jallay

As conclusões a que chegámos, nos cálculos que fizemos, em matemática e em física teórica, no âmbito das nossas teses de doutoramento respectivas, é que o espaço é curvo. Trata-se de uma curvatura muito ligeira, muito atenuada, mas não obstante ela existe e é, além disso, positiva, ‘marginalmente positiva’, como dizemos em termos científicos. Se fosse negativa o Universo era um hiperbolóide. Mas é positiva. Por isso o Universo é redondo. 

Os últimos resultados científicos parecem dar-nos razão. Os dados conseguidos pelos satélites astronómicos WMAP [Nasa, ndR] e Planck [da Agência Espacial Europeia, ESA, ndR] - os últimos resultados do satélite Planck foram apresentados em Fevereiro deste ano – levam-nos a pensar que o Universo tem efectivamente três dimensões e que é portanto redondo e não plano.

CONTACTO/LW: O Universo parece-se com uma bola de râguebi, como nas imagens da radiação cósmica de fundo que o satélite WMAP mostra e que ficaram recentemente famosas na imprensa? 

G. e I. B.: (Risos) Não! Eu diria que se parece mais com uma bola de futebol. Neste caso é o princípio da isotropia [propriedade de um sólido quando se expande de igual modo para todos os lados quando lhe é acrescentada energia térmica, ndR] que se aplica, e aqui é a forma esférica a preferida e não a elipsóide.

Atenção, quando digo que o Universo se parece mais com uma bola de futebol é relativo, porque na realidade o Universo tem três dimensões e a bola de futebol apenas duas. 

Imagem do satélite WMAP, da Nasa, sobre a radiação cósmica de fundo, que mostra o Universo pouco tempo depois de nascer, ou seja, pouco tempo após o Big Bang (cerca de 380 mil anos depois do Big Bang)
Imagem do satélite WMAP, da Nasa, sobre a radiação cósmica de fundo, que mostra o Universo pouco tempo depois de nascer, ou seja, pouco tempo após o Big Bang (cerca de 380 mil anos depois do Big Bang)
Imagem: WMAP/Nasa

CONTACTO/LW: Os cientistas dizem que o Big Bang, que deu origem ao Universo, aconteceu há 13,7 mil milhares de anos? É essa a idade do Universo ou é apenas o nosso horizonte cósmico, ou seja, não conseguimos ver além e por isso não sabemos se é mais antigo?

G. e I. B.: Hoje conhecemos melhor a extensão do Universo no tempo do que no espaço. Temos uma visão menos precisa da sua extensão no espaço do que da sua extensão no tempo. Hoje, pensamos que o Universo tem cerca de 46 mil milhões de anos-luz de raio, pela sua acção de expansão, mas não temos bem a certeza, pode ser bem mais.

Quanto à idade do Universo, temos uma ideia bastante mais precisa. Em 2013, o satélite Planck demonstrou que o Universo tem cerca de 13,820 mil milhões de anos e que é portanto um pouco mais velho do que pensávamos até aí há uns anos, e que rondava os 13,7 mil milhões de anos.

A nós os dois, o que nos interessa particularmente é o que havia antes do Big Bang [foi o tema das suas teses de doutoramento, ndR]. Mas aí, entramos no mundo das hipóteses. Trata-se do instante de Planck, o momento em que o Universo nasceu. O que está antes desse instante está fora da realidade, desta realidade, fora do tempo. Aliás, o tempo nasceu nesse momento. Essa realidade existiu numa outra forma de tempo, um tempo imaginário, na acepção que os matemáticos dão à palavra “imaginário” [noção criada por René Descartes em 1637, ndR]

Grichka Bogdanov explica que a noção de Universo e da sua forma colocam-se hoje da mesma forma do que quando houve a discussão sobre se a Terra era plana ou redonda.
Grichka Bogdanov explica que a noção de Universo e da sua forma colocam-se hoje da mesma forma do que quando houve a discussão sobre se a Terra era plana ou redonda.
Foto: Guy Jallay

CONTACTO/LW: Vocês dizem que o Universo é feito de tal forma que é perfeito e que se for alterada a mais ínfima constante cosmológica, todo o Universo fica um caos, podia até nunca ter existido. Isso quer dizer que acreditam em Deus ou é uma conclusão matemática?

G. e I. B.: É uma conclusão matemática. No entanto, já São Tomás de Aquino dizia que podemos ir para o 'Mistério Supremo' através das vias da razão. Ou seja, mesmo não querendo ser religioso, o facto é que essas vias da razão nos levam em direcção da ideia de algo supremo.

No entanto, nós temo-nos esforçado, em todos os nossos livros, em ter atenção de nunca falarmos directamente de Deus. Apenas constatamos que o Universo é ordenado.

CONTACTO/LW: Mas acreditam em Deus?

G. e I.B.: Acreditamos no Deus de Einstein. Quando em 1936 um jovem reconheceu Albert Einstein, era ele professor na Universidade de Princeton, perguntou-lhe se ele acreditava em Deus. Einstein não lhe respondeu logo, mas prometeu-lhe escrever uma carta a responder, carta que é hoje mundialmente famosa.

Nessa carta, Einstein diz que todos os que estudam de forma séria a Ciência vão acabar por compreender um dia que um espírito muito superior ao do Homem se manifesta nas leis do Universo.

Quando Einstein diz isso está a pensar no espírito das leis, das leis da Física. A ordem a que obdecem as leis da Fisica reenvia para qualquer coisa que nós não definimos nos nossos livros, nem queremos, deixamos ao leitor o cuidado de tirar as suas próprias conclusões. 

"Os computadores quânticos serão uma realidade dentro de cinco a dez anos"

"O meu irmão e eu acreditamos que nunca a inteligência artificial será comparável à inteligência ou mesmo à consciência humana", diz Igor Bogdanov
"O meu irmão e eu acreditamos que nunca a inteligência artificial será comparável à inteligência ou mesmo à consciência humana", diz Igor Bogdanov
Foto: Guy Jallay

CONTACTO: Foram convidados para vir ao Luxemburgo falar de computadores quânticos e da inteligência artificial a profissionais do sector das novas tecnologias. Digam-nos se concordam com o alerta feito recentemente pelo astrofísico Stephen Hawking sobre a inteligência artificial, que pode tornar-se no futuro um perigo para o Homem?

G. e I.B.: Pode parecer que Stephen Hawking e outros cientistas estão alarmados pela emergência de grandes sistemas que aos poucos podem tornar-se desviantes em relação à mente humana. Nós estivemos com Hawking há pouco tempo e perguntámos-lhe o que ele quis dizer com esse alerta. Ele explicou-nos que ele não teme tanto uma revolução a esse nível, mas que queria apenas chamar a atenção para os perigos que essa revolução pode vir a causar. A Humanidade tem que entrar nesse novo mundo com precaução, mesmo se é um passo inevitável.

O meu irmão e eu acreditamos que nunca a inteligência artificial sera comparável à inteligência ou mesmo à consciência humana.

Com os computadores quânticos acederemos a uma inteligência artificial que terá capacidades fulgurantes e que poderá ter semelhanças com a consicência humana, mas nunca chegará a ser comparável com esta, nem constituirá um perigo para a Humanidade.

Nos anos 1950, as pessoas também tinham medo do que os computadores poderiam fazer ao ser humano. E hoje, vemos que aumentaram as nossas capacidades, em termos de trabalho, de comunicação, a muitos níveis que eram inimagináveis há 60 anos.

Vai passar-se o mesmo com a inteligência artificial, será uma nova ferramenta que nos permitirá dar o próximo passo na nossa evolução.

CONTACTO/LW: E quanto aos muito falados computadores quânticos, que poderão permitir fazer avançar a inteligência artificial, são já uma realidade ou é para breve?

G. e I.B.: Há uma empresa canadiana que diz que já produz computadores quânticos, mas na realidade não são bem quânticos.

Nós pensamos que estas novas máquinas sejam uma realidade daqui a cinco ou dez anos.

CONTACTO/LW: Como é que um computador quântico funciona?

G. e I. B.: Enquanto um computador convencional funciona com bits, os quânticos vão funcionar com “qbits”, ou seja “quantum bits” (bits quânticos).

Todos nós conhecemos o aspecto de um chip electrónico. Recentemente, o meu irmão e eu estivemos num laboratório onde estão a construir um computador quântico e o cérebro dessa nova geração de computadores não são chips mas fotões, partículas sub-atómicas de luz. O que nós vimos tinha o aspecto de uma esfera num gás de partículas.

Enquanto o processador de um computador convencional utiliza um código binário, no qual uma informação ou é 1 ou é zero, num computador quântico a informação pode ser 1 e zero ao mesmo tempo, e até zero e 1 sobreposicionados, e mesmo mais, toda uma multiplicidade de sobreposição de estados que podem até ser um elemento sólido e uma onda ao mesmo tempo.

Estas capacidades fenomenais vão permitir uma aceleração do tratamento da informação de dados que vai ser multiplicada por um factor de mil, 10 mil, 100 mil, um milhão.

Se pedirmos a um computador actual para calcular a previsão do estado do tempo para um mês, os cálculos vão levar cinco anos, tendo em conta o que hoje se sabe da ciência da meteorologia e da sua aleatoriedade, mas sobretudo é esse o limite dos computadores de hoje. Um computador quântico vai poder efectuar esses cálculos em cinco minutos. Vejam bem a diferença colossal.

Igor (à esquerda) e Grichka (à direita) explicam que a informática quântica vai multiplicar por mil ou mesmo por um milhão o factor de aceleração do processamento de dados dos computadores
Igor (à esquerda) e Grichka (à direita) explicam que a informática quântica vai multiplicar por mil ou mesmo por um milhão o factor de aceleração do processamento de dados dos computadores
Foto: Guy Jallay

A prova de que esses computadores não são ficção-científica mas uma realidade pra breve é que há três grandes actores globais a investir fortemente nesse sector: a agência de segurança interna dos Estados Unidos (NSA), a IBM e a Google. A NSA quer mesmo ter um desses computadores já a funcionar em 2020.

CONTACTO/LW: Pensam que a informática quântica é o passo tecnológico que nos falta dar para podermos aplicar ao sector aero-espacial e podermos viajar até outros sistemas estelares?

G. e I.B..: Na realidade, o que vai acontecer é uma verdadeira 'revolução quântica', um passo gigante para a frente. Há quatro sectores que, a nosso ver, vão sofrer grandes pulos tecnológicos: a saúde, a energia, a indústria numérica e a exploração espacial.

Portanto, sim, estamos convictos que a informática quântica vai ajudar a resolver muitos dos problemas que hoje enfrentamos nessa área, como por exemplo conseguir atravessar as grandes distâncias que nos separam dos sistemas estelares mais próximos.

José Luís Correia (CONTACTO) e Anne Fourney (WORT.LU)

Um excerto de uma entrevista em que os irmãos Bogdanov explicam porque acreditam na existência de Deus e o papel deste no Universo:

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

Para os que eram jovens nos anos 1980 e seguiam a emissão "Temps X" dos irmãos Bogdanov, na televisão francesa, encontrámos um desses programas. Neste episódio de 1979, os irmãos Bogdanov especulam sobre como a Humanidade iria viver no ano 2000: 

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.




Notícias relacionadas

O português Carlos Gonçalves, CIO (Chief Information Officer, director da Tecnologia e Informação) do banco francês Société Générale, venceu esta semana o Prémio de Melhor CIO Europeu do Ano, durante o "ICT Spring Europe 2015", o encontro anual de actores e empresas do sector das tecnologias de informação e da comunicação, que decorreu esta semana no Kirchberg.