Escolha as suas informações

Varíola dos macacos. OMS elimina a distinção entre países endémicos e não endémicos
Sociedade 2 min. 18.06.2022
Monkeypox

Varíola dos macacos. OMS elimina a distinção entre países endémicos e não endémicos

Monkeypox

Varíola dos macacos. OMS elimina a distinção entre países endémicos e não endémicos

Foto: Getty Images/iStockphoto
Sociedade 2 min. 18.06.2022
Monkeypox

Varíola dos macacos. OMS elimina a distinção entre países endémicos e não endémicos

Redação
Redação
Europa está no centro da propagação do vírus, com 1.773 casos confirmados, ou 84% do total global.

 A Organização Mundial de Saúde eliminou a distinção entre países endémicos e não endémicos nas estatísticas sobre a varíola dos macacos, para melhor "unificar" a resposta ao vírus. Apesar de ser comum a circulação, na África Central e Ocidental, o vírus de Monkeypox espalhou-se pelo mundo.  

"Estamos a eliminar a distinção entre países endémicos e não endémicos, e a apresentar países em conjunto sempre que possível, para decidir uma resposta unificada que é necessária", disse a OMS em comunicações neste sábado. 


Varíola dos macacos. DGS divulga cuidados a ter antes e após contactos sexuais
DGS quer que empresas, organizações de eventos ou grupos informais sensibilizem os participantes sobre a infeção pelo vírus Monkeypox.

De 1 de janeiro a 15 de junho, "um total de 2.103 casos confirmados, um caso provável e uma morte (Nigéria) foram relatados à OMS, em 42 países", pode ler-se. A 23 de Junho, a OMS vai avaliar se o atual surto representa uma "emergência de saúde pública de preocupação internacional" - o nível de alerta mais elevado. 

Europa está no centro da propagação do vírus, com 1.773 casos confirmados, ou 84% do total global. O continente americano é o próximo (245 casos, 12%), seguido pela África (64 casos, 3%) e pelas regiões do Mediterrâneo Oriental (14 casos) e do Pacífico Ocidental (7 casos). 

A OMS considera muito provável que o número real de casos seja mais elevado. E considera que o vírus deve ter circulado antes do surto, sem que a sua transmissão tenha sido detetada. "Poderia remontar a 2017", diz a organização. Desde 2017, alguns casos importados, nomeadamente da Nigéria, foram de facto esporadicamente identificados em vários países. 

No atual surto, a maioria dos casos relatados até à data têm sido em homens que têm relações sexuais com homens. A grande maioria, contudo, não tinha viajado para os países africanos onde o vírus era endémico. 

Conhecida nos humanos desde 1970, a varíola dos macacos, ou "ortopoxivirose símia", é considerada muito menos perigosa e contagiosa do que a varíola, que foi erradicada em 1980. É considerada uma doença rara, causada por um vírus transmitido aos seres humanos por animais infetados. Mas agora, a transmissão de humano para humano é a grande novidade.  


O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas