Escolha as suas informações

Vacinas usadas na UE protegem contra variante britânica
Sociedade 2 min. 26.01.2021

Vacinas usadas na UE protegem contra variante britânica

Vacinas usadas na UE protegem contra variante britânica

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 26.01.2021

Vacinas usadas na UE protegem contra variante britânica

Lusa
Lusa
A diretora da Agência Europeia do Medicamento (EMA) disse esta terça-feira que as vacinas da Pfizer-BioNtech e da Moderna contra a covid-19 são eficazes para a variante britânica, admitindo que a mutação da África do Sul é “mais complicada”.

“No que toca às duas vacinas que já foram autorizadas, pedimos às empresas para verificar o efeito das novas variantes no seu desempenho e […], de acordo com os estudos preliminares, estas vacinas continuarão a ser eficazes pelo menos relativamente à variante britânica”, declarou a responsável.

Falando numa audição por videoconferência na comissão parlamentar de Saúde Pública do Parlamento Europeu, em Bruxelas, Emer Cooke apontou que “a variante da África do Sul é mais complicada”, razão pela qual é necessário “trabalho adicional para determinar a eficácia destas vacinas” perante esta estirpe.


Luxemburgo deteta 36 infeções de variante britânica
De acordo com estudos apresentados no Reino Unido, a variante Sars-CoV2 é "até 70%" mais contagiosa do que a estirpe original.

A diretora do regulador europeu admitiu ser “normal que surjam novas variantes do vírus, como acontece com qualquer outro”, razão pela qual a EMA solicitou às empresas farmacêuticas que estão a desenvolver vacinas para a covid-19 que verifiquem o impacto das novas variantes”.

“E se houver a necessidade de mudar as vacinas para acautelar as novas variantes, [questionámos] o que fazer em termos regulatórios”, acrescentou a responsável.

Emer Cooke insistiu que, “até ao momento, os estudos iniciais das empresas [BioNtech/Pfizer e Moderna] indicam que continuarão a ser ativas, pelo menos no que toca à variante britânica”.

“É uma questão que preocupa a todos, como é que as vacinas vão reagir contra as novas variantes”, admitiu a responsável.

De momento, estão aprovadas na União Europeia (UE) as vacinas da Pfizer-BioNtech, que está a ser utilizada desde final de dezembro passado, e da Moderna, em uso desde meados deste mês no espaço comunitário, ambas assentes na tecnologia do ARN mensageiro.

Até final da semana, a EMA deverá dar ‘luz verde’ à vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca com a Universidade de Oxford, que está envolta em polémica devido aos problemas de fornecimento.

Instada na audição a comentar estes problemas na distribuição, após a AstraZeneca ter anunciado no final da semana que iria entregar menos doses à UE e mais tarde do que acordado, Emer Cooke apontou que esta questão “está fora do âmbito da EMA”.

“Partilhamos as frustrações [sobre os problemas na distribuição] e o que podemos fazer é ver como podemos facilitar instrumentos de produção, para que de alguma forma possamos evitar os esperados atrasos”, em termos científicos e regulatórios”, referiu a responsável.

Ainda assim, “há poucas coisas que possamos fazer”, reforçou, vincando que esta é uma responsabilidade das farmacêuticas.

Questionada na audição sobre a vacinação de crianças e mulheres grávidas, Emer Cooke disse “não haver, para já, dados para assumir que estas vacinas não vão resultar” nesta população.

Porém, como ainda não houve ensaios clínicos sobre a eficácia e segurança para crianças e mulheres grávidas, serão necessários “estudos adicionais das empresas para poder adotar uma conclusão”, adiantou.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 2.140.687 mortos, resultantes de mais de 99,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas