Escolha as suas informações

Vacinas da Pfizer e da Moderna são menos eficazes contra a variante Delta
Sociedade 2 min. 25.08.2021
Covid-19

Vacinas da Pfizer e da Moderna são menos eficazes contra a variante Delta

Covid-19

Vacinas da Pfizer e da Moderna são menos eficazes contra a variante Delta

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 25.08.2021
Covid-19

Vacinas da Pfizer e da Moderna são menos eficazes contra a variante Delta

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Diferentes estudos apontam para quebra de eficácia das vacinas de mRNA contra a variante Delta, mas os fármacos continuam a reduzir a transmissão do vírus para quem tem o esquema vacinal completo, face a quem não está vacinado.

As vacinas Pfizer e Moderna são menos eficazes contra a variante Delta. A eficácia desta duas vacinas (de mRNA) caiu de 91% para 66% desde que a variante Delta se tornou dominante nos países, de acordo com dados divulgados pelas autoridades de saúde norte-americanas, esta terça-feira, refere a AFP. 

Esta quebra na eficácia contra a variante Delta tem sido relatada em vários estudos, ainda que com diferentes percentagens.


Reduzir a covid a uma constipação? Cientistas portugueses descobrem a 'fórmula'
Investigação portuguesa descobriu três compostos que diminuem entre 60% a 70% a atividade do vírus, cada um, e existem perspetivas de chegar rapidamente ao mercado.

Também esta terça-feira, um estudo português do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) confirmou que as vacinas de mRNA, como são o caso da Pfizer e da Moderna são menos eficazes a prevenir a infeção pela variante Delta.

Os dados preliminares do estudo do INSA concluíram que o risco de infeção pela variante Delta para quem já está vacinado com esses fármacos é o o dobro do risco de infeção pela variante Alpha (variante britânica), devido ao facto de a carga viral dos infetados com a variante anteriormente conhecida como variante indiana ser superior. 

"O risco de uma infeção pela variante Delta em vacinados é, aproximadamente, o dobro do risco de infeção pela variante Alpha, uma tendência verificada tanto em indivíduos com o esquema vacinal parcial como em indivíduos com o esquema vacinal completo", refere a informação do estudo disponibilizada no site do instituto.


Covid-19. Tratamento da AstraZeneca com eficácia de 77%
A farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou hoje que o tratamento experimental que está a desenvolver para a prevenção da covid-19 reduz em 77% o risco de desenvolver uma forma sintomática da doença em pacientes frágeis.

Para o esquema vacinal completo, a eficácia daquelas vacinas contra a variante Delta é  41% a 80%, face uma eficácia de 70% a 90% para a variante Alpha. Em caso de apenas uma toma essa eficácia desce ainda mais, passando a ser de 24% a 49% no caso da variante Delta, por comparação com 55% a 70% para a variante Alpha.

Apesar disso, a vacinação, sobretudo se completa, continua a ser uma barreira de proteção, tanto contra as formas graves da doença, hospitalizações e mortes por covid-19, como para reduzir a transmissão. O estudo do INSA sublinha que "os indivíduos com o esquema vacinal completo apresentaram menor carga viral e potencialmente menor transmissibilidade do que os indivíduos não vacinados para ambas as variantes de preocupação analisadas (Delta e Alpha)".    

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A variante Delta do novo coronavírus SARS-CoV-2, mais transmissível, circula em 92 países, indicou hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS), salvaguardando que as vacinas continuam eficazes contra esta estirpe, ao prevenirem doença grave e morte.