Escolha as suas informações

Vacinar as crianças contra a covid-19 não é prioritário, diz OMS
Sociedade 04.06.2021 Do nosso arquivo online

Vacinar as crianças contra a covid-19 não é prioritário, diz OMS

Vacinar as crianças contra a covid-19 não é prioritário, diz OMS

Sociedade 04.06.2021 Do nosso arquivo online

Vacinar as crianças contra a covid-19 não é prioritário, diz OMS

Lusa
Lusa
Para o organização é fundamental garantir que os profissionais de saúde e os idosos, ou aqueles com doenças subjacentes, sejam vacinados antes de adolescentes e crianças.

A especialista em vacinas da Organização Mundial da Saúde (OMS) Kate O'Brien disse hoje que imunizar crianças contra a covid-19 não é uma prioridade, na perspetiva da OMS, dado o suprimento global extremamente limitado de doses.

Em conferência de imprensa, disse que as crianças não deveriam ser o foco dos programas de imunização à covid-19, mesmo com um número crescente de países ricos a autorizar a vacinação contra o coronavírus em adolescentes e crianças.


França. Vacinação covid dos 12-18 anos começa a partir de 15 junho
A partir desta data, os jovens nestas idades podem reservar a sua vaga para a vacinação contra a covid, com a vacina da Pfizer, mas apenas com autorização dos pais.

"As crianças têm um risco (a) muito baixo de contrair a covid", disse O'Brien, pediatra e diretora do departamento de vacinas da OMS. Para a responsável, a justificação para imunizar crianças era interromper a transmissão, em vez de protegê-las de adoecer ou morrer.

"Quando estamos neste lugar realmente difícil, como estamos agora, onde o fornecimento de vacinas é insuficiente para todos no mundo, imunizar crianças não é uma prioridade agora".

O'Brien afirmou que é fundamental garantir que os profissionais de saúde e os idosos, ou aqueles com doenças subjacentes, sejam vacinados antes de adolescentes e crianças.

Canadá, Estados Unidos e alguns países da União Europeia, recentemente, deram luz verde a algumas vacinas para crianças dos 12 aos 15 anos, conforme se aproximam das suas metas de vacinação para adultos.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, exortou os países ricos a doarem vacinas aos países pobres em vez de imunizar os seus adolescentes e crianças. Menos de 1% das vacinas contra a covid-19 administradas globalmente foram usadas em países pobres.


Luxemburgo. Falta pouco para as crianças começarem a ser vacinadas
Afinal, como é feita a vacina para os mais novos? Qual a eficácia e segurança? As respostas são dadas ao Contacto pelo diretor dos ensaios clínicos a jovens em Cincinnati, EUA e por uma pediatra do Luxemburgo.

O'Brien disse que pode ser apropriado imunizar crianças contra o coronavírus "no devido tempo, quando o fornecimento aumentar muito mais substancialmente", e acrescentou que não é necessário vacinar as crianças antes do regresso à escola, desde que os adultos em contato com elas estejam imunizados.

"A imunização das crianças para o seu regresso à escola não é um requisito predominante", disse. "Podem voltar para a escola com segurança se o que estamos a fazer é imunizar aqueles que estão em risco, ao seu redor".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

É a vacinação dos 5-11 anos é mais polémica e que enche de dúvidas os pais. O Contacto ouviu especialistas, entre eles o coordenador de um dos ensaios clínicos nos Estados Unidos e explica-lhe tudo sobre esta nova vacina. "Não é urgente vacinar já todas as crianças. Só as de risco", é a opinião mais consensual.
Portugal recomenda a vacinação generalizada dos 5 aos 11 anos, mas com prioridade para as crianças de risco.
Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças vinca, ainda assim, que “a vacinação de crianças não pode ser considerada um substituto para a vacinação de adultos”, sendo que esta última deve ser “a principal prioridade” dos países.
A Organização Mundial de Saúde alerta para “uma crise na distribuição das vacinas” que tem que ser resolvida com urgência. Num mundo globalizado, caso não haja uma distribuição mais igualitária de vacinas por todo o planeta, dificilmente se alcançará a tão desejada “imunidade de grupo” que poderá acabar com a pandemia da covid-19. Mas há uma crise humanitária que está a preocupar o mundo. A saída atabalhoada dos EUA do Afeganistão deixou o país num descalabro prestes a transformar-se numa catástrofe humanitária. Ontem, as últimas forças norte-americanas saíram do território, dando assim por terminada a sua guerra mais longa. Mas afinal para que é que serviram os vinte anos em que lá estiveram e os 2,3 mil milhões de dólares que lá gastaram, durante vinte anos?