Escolha as suas informações

Vacina da Pfizer eficaz contra formas graves de covid-19 durante pelo menos seis meses
Sociedade 2 min. 05.10.2021
Estudo

Vacina da Pfizer eficaz contra formas graves de covid-19 durante pelo menos seis meses

Estudo

Vacina da Pfizer eficaz contra formas graves de covid-19 durante pelo menos seis meses

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 05.10.2021
Estudo

Vacina da Pfizer eficaz contra formas graves de covid-19 durante pelo menos seis meses

AFP
AFP
Fármaco é também eficaz contra todas as variantes do SARS-CoV-2 , confirma um estudo divulgado esta terça pela revista científica The Lancet.

As duas doses de vacina Pfizer/BioNTech são eficazes contra o risco de hospitalização do covid-19 e de todas as variantes durante pelo menos seis meses, revelou um estudo publicado na terça-feira na revista The Lancet, confirmando estimativas anteriores. 

O estudo da Pfizer e da rede de saúde americana Kaiser Permanente analisou dados médicos de 3,4 milhões de pessoas no Sul da Califórnia entre 4 de dezembro de 2020 e 8 de agosto deste ano. Os investigadores descobriram que a eficácia da vacina na prevenção da infeção diminuiu ao longo do tempo, de 88% no prazo de um mês após a segunda dose para 47% após seis meses. Por outro lado, a vacina permanece 90% eficaz contra o risco de hospitalizações relacionadas com a covid-19, incluindo a infeção pela variante Delta, durante pelo menos seis meses.

Estas conclusões confirmam as estimativas anteriores dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA e do Ministério da Saúde israelita, afirma a Lancet em comunicado. "O nosso estudo confirma que as vacinas são um instrumento central para controlar a epidemia e permanecem altamente eficazes na prevenção de doenças graves e na hospitalização, inclusivé contra a Delta ou outras variantes preocupantes", resumiu Sara Tartof, principal autora do estudo.

"Uma análise específica da variante mostra claramente que a vacina é eficaz contra todos os tipos de variantes. As pessoas infetadas com covid-19 que receberam duas doses de vacina foram mais frequentemente infetadas devido a uma perda de eficácia da vacina ao longo do tempo, não porque uma determinada variante escapa à proteção da vacina", explicou ainda Luis Jodar, vice-presidente e médico-chefe da Pfizer. 


YouTube remove mais de 130 mil vídeos por desinformação sobre vacinas
O YouTube removeu mais de 130 mil vídeos desde outubro do ano passado por violarem as políticas covid-19 relativas à informação sobre vacinas e alargou as diretrizes sobre outras vacinas já aprovadas, divulgou hoje a plataforma.

Os investigadores reconhecem algumas limitações do estudo: por exemplo, não havia dados suficientes sobre o uso de máscara, interações sociais ou ocupação das populações estudadas, o que poderia ter um impacto na probabilidade de contrair a infeção.

De acordo com os autores do estudo, os resultados mostram a importância de reforçar a vacinação global e analisar a eficácia da vacina ao longo do tempo para decidir quais as populações que devem ser consideradas prioritárias para as doses de reforço. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A União Europeia está "preparada" para a eventualidade de administrar à população uma terceira injeção da vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNtech, que os fabricantes propuseram, afirmou hoje a comissária europeia da Saúde e Segurança Alimentar, Stella Kyriakides.