Escolha as suas informações

Vacina da Pfizer/BioNTech aprovada nos EUA para adolescentes entre os 12 e os 15 anos
Sociedade 4 min. 11.05.2021

Vacina da Pfizer/BioNTech aprovada nos EUA para adolescentes entre os 12 e os 15 anos

Vacina da Pfizer/BioNTech aprovada nos EUA para adolescentes entre os 12 e os 15 anos

Foto: AFP
Sociedade 4 min. 11.05.2021

Vacina da Pfizer/BioNTech aprovada nos EUA para adolescentes entre os 12 e os 15 anos

AFP
AFP
Joe Biden considerou o anúncio "um desenvolvimento promissor na luta contra o vírus".

A vacina contra a covid-19 da Pfizer/BioNTech foi autorizada pelo regulador americano do medicamento para utilização em adolescentes mais jovens nos EUA. A medida abre caminho para a vacinação em massa de estudantes do ensino médio e secundário antes do início dos campos de férias habituais e do ano letivo seguinte. 

Numa conferência de imprensa, a Food and Drug Administration (FDA) revelou que a vacina passa assim a incluir adolescentes dos 12 aos 15 anos de idade. "Foi uma decisão relativamente simples", afirmou Peter Marks, diretor do Centro de Avaliação e Investigação Biológica da FDA. 

A vacina de duas tomas da Pfizer é atualmente administrada a pessoas com mais de 16 anos no país. Já as produzidas pela Moderna e Johnson & Johnson estão disponíveis para os maiores de 18 anos. Nos EUA, existem cerca de 17 milhões de jovens com idades entre os 12 e os 15 anos, de acordo com a Kaiser Family Foundation, o que representa cerca 5,3% da população do país. As autoridades esperam que a expansão do acesso à vacina aos mais jovens acelere a campanha de vacinação, uma vez que persiste o medo das novas variantes e algumas escolas ainda se encontram encerradas.

Nos testes em adolescentes a vacina feita em parceria pela Pfizer e BioNTech gerou uma forte resposta imunitária, não tendo havido casos de covid-19 no grupo vacinado, ou sinais de quaisquer efeitos secundários novos ou preocupantes, acrescentou.

Um grupo de conselheiros dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças reúne-se esta quarta-feira para avaliar agora as recomendações da FDA. Mas na declaração o responsável da FDA mostrou-se otimista que os mais jovens podem começar a recebê-las já esta quinta-feira. No briefing a autoridade do medicamento acrescentou ainda que as farmácias e outros centros de distribuição de vacinas podem agora facilmente "estender-se ao grupo etário mais jovem". 

A vacina Pfizer/BioNTech custa 39 dólares nos EUA (custo total das duas doses) e são pagas na totalidade pelo governo norte-americano. Os pormenores sobre a logística da distribuição e administração terão agora de ser ultimados, sendo que as decisões finais caberão a cada estado. Numa declaração esta segunda-feira à noite, o Presidente Joe Biden considerou o anúncio "um desenvolvimento promissor na luta contra o vírus". 

"100% eficácia"

As duas empresas tinham arrancado os ensaios clínicos nos jovens no final do outono do 2020. Na fase final dos ensaios, a Pfizer e a BioNTech concluíram que a vacina era 100% eficaz no grupo etário dos 12 aos 15 anos. Nos 2.260 adolescentes testados, o fármaco produziu anticorpos que excederam o nível observado em adultos jovens vacinados. Todos os 18 casos de covid-19 registados no estudo aconteceram em adolescentes que receberam um placebo, afirmaram ainda as empresas. Os efeitos secundários foram consistentes com os experimentados por jovens dos 16 aos 25 anos de idade.  

Apesar de os casos da doença em adolescentes tendem a ser mais suaves, as crianças e jovens são um vetor importante de propagação da doença; e nos EUA os contágios dos mais pequenos são responsáveis por uma proporção crescente do total dos casos, mesmo à medida que mais adultos são vacinados. As crianças podem ser um "motor restante que alimenta a pandemia",  considerou William Gruber, diretor de investigação e desenvolvimento de vacinas da Pfizer recentemente. "É importante para nós atacarmos isso". 

Ao mesmo tempo da luz verde da FDA para o fármaco das empresas americana e alemã, decorrem ainda ensaios em jovens com as outras vacinas, nomeadamente a Moderna e a Janssen, para o mesmo grupo etário e com crianças menores de 12 anos. Os resultados são esperados nas próximas semanas."É extremamente importante do ponto de vista da saúde pública poder vaciná-los", disse Albert Bourla, diretor-executivo da Pfizer, numa entrevista pouco antes do anúncio da FDA. "É importante que estejam protegidos contra a doença, mas também para que não transmitam a doença aos seus lares".

Pediatras importantes no "reforço da confiança" na vacina

Com a administração nos mais novos, os pediatras serão em breve uma parte crítica da utilização da vacina neste grupo etário, particularmente no aumento da confiança entre os pais mais cautelosos. "Pais de crianças pequenas estão habituados a este conceito de vacinar os filhos", afirmou Yvonne Maldonado, diretora médica do Hospital Pediátrico da Universidade de Stanford e investigadora dos ensaios da Pfizer. "Os pais precisam de ser convencidos de como isto é diferente ou semelhante a todas as outras vacinas que os seus filhos obtêm", considerou ainda.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou a 23 de julho o uso da vacina anticovid-19 da Moderna para crianças dos 12 aos 17 anos na União Europeia (UE), sendo este o segundo fármaco aprovado pelo regulador europeu para esta faixa etária, após a Pfizer, da BioNTech.