Escolha as suas informações

Vacina da Moderna supera a Pfizer e a Sputnik com 94,5% de eficácia
Sociedade 2 min. 16.11.2020 Do nosso arquivo online

Vacina da Moderna supera a Pfizer e a Sputnik com 94,5% de eficácia

Vacina da Moderna supera a Pfizer e a Sputnik com 94,5% de eficácia

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 16.11.2020 Do nosso arquivo online

Vacina da Moderna supera a Pfizer e a Sputnik com 94,5% de eficácia

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
Os laboratórios norte-americanos vão pedir a aprovação da utilização da vacina "nos próximos dias" e pensam começar a distribuí-la em grande escala já na primavera.

Depois das vacinas da Pfizer/BioNtech e da Sputnik V/Gamaleya, o fármaco da Moderna também passou nos testes de eficácia muito perto dos 100%. Mais do que os 90 e os 92% alcançados pelas "concorrentes", a vacina da farmacêutica norte-americana provou-se 94,5% capaz para eliminar o novo coronavírus. 

Até à distribuição, a Moderna tenciona pedir a aprovação da utilização da vacina "nos próximos dias". Para já, o plano é lançar centenas de milhares de doses na "segunda semana de dezembro". Em grande escala, só na primavera. As previsões foram adiantadas pelo médico norte-americano Anthony Fauci à CNN. "A eficácia geral foi notável… É um excelente dia", corroborou Tal Zaks, diretor clínico da equipa da Moderna à BBC.

Ao todo, os ensaios da segunda vacina norte-americana a passar os testes de eficácia contou com 30 mil voluntários. De acordo com os relatórios preliminares, metade dos voluntários recebeu, com quatro semanas de diferença, as duas doses da vacina e os restantes foram vacinados com um placebo.

A análise baseou-se depois nos primeiros 95 voluntários a desenvolverem sintomas da covid-19. Apenas cinco dos casos detetados eram de voluntários que tinham sido injetados com a nova vacina, os restantes 90 tinham tomado o placebo. Os dados mostram ainda que os 11 casos de voluntários envolvidos nos testes que desenvolveram a forma mais severa da doença não tinham sido imunizados.

Na semana passada, a Pfizer/BioNtech anunciaram uma eficácia de 90% da vacina que estão a desenvolver. Dois dias depois uma outra candidata, a Sputnik V, registou uma eficácia de 92%.  

"Uma vacina por si só não acaba com a pandemia"

Entretanto, confrontado com o aumento exponencial do número de novos infetados pelo novo coronavírus, naquilo que se chama uma segunda onda da pandemia, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou, esta segunda-feira, para a importância de enfatizar que a vacina serve apenas para complementar as ferramentas de combate à pandemia, mas não as substitui. 

"A vigilância tem de continuar. As pessoas terão de continuar a ser testadas, isoladas e a receber os cuidados necessários", reagiu. "Os contactos terão de continuar a ser monitorizados e indivíduos terão de continuar a ter cuidados", alertou Tedros Adhanom Ghebreyesus antes de sublinhar que "ainda temos um longo caminho pela frente" e que, "por si só", "uma vacina não acaba com a pandemia". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas