Escolha as suas informações

Várias companhias aéreas deixam de voar no espaço aéreo bielorrusso
Sociedade 2 min. 25.05.2021

Várias companhias aéreas deixam de voar no espaço aéreo bielorrusso

Várias companhias aéreas deixam de voar no espaço aéreo bielorrusso

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 25.05.2021

Várias companhias aéreas deixam de voar no espaço aéreo bielorrusso

AFP
AFP
Depois das sanções da União Europeia, em resposta à aterragem forçada de um avião da Ryanair pela Bielorrússia, a lista de companhias aéreas que se recusam a sobrevoar país está a aumentar.

A Air France anunciou esta terça-feira a suspensão dos voos sobre a Bielorrússia, e a KLM e a Finnair já seguiram o exemplo. Em linha com as novas sanções adotadas pela UE ao regime de Alexander Lukashenko em relação ao incidente com um avião de passageiros da Ryanair, a lista de companhias aéreas continua a aumentar de hora para hora.

A Lufthansa, SAS e AirBaltic tomaram a mesma decisão na segunda-feira e outras poderão juntar-se nos próximos dias. Os líderes da UE reunidos na segunda-feira adotaram um conjunto de sanções contra a Bielorrússia, depois de o regime de Lukashenko ter forçado a aterragem de um avião da Ryanair em Minsk para prender um dissidente, cuja libertação imediata é exigida pela UE. 

Fora da Europa, a Singapore Airlines anunciou que vai alterar a rota de voos para evitar o espaço aéreo bielorrusso. O incidente está a ser condenado pela comunidade europeia e internacional. A Organização da Aviação Civil Internacional, pertencente à ONU, já considerou que a aterragem forçada "poderá ser uma violação da Convenção de Chicago", que protege a soberania do espaço aéreo das nações.   


Bielorrússia força aterragem de avião da Ryanair para deter jornalista
A aterragem forçada de um avião da Ryanair a pedido das autoridades bielorrussas está a gerar novo clima de tensões entre o regime de Lukashenko, a Europa e os EUA.

Os países europeus anunciaram igualmente o encerramento do espaço aéreo à Bielorrússia, e também o Reino Unido e Ucrânia já tinham colocado na lista negra o espaço aéreo da antiga república soviética. Cerca de 2.000 aviões comerciais utilizam o espaço aéreo bielorrusso todas as semanas, disse o Eurocontrol. 

Roman Protassevich, um jornalista de 26 anos da oposição, e a namorada Sofia Sapega estavam num voo da Ryanair de Atenas para Vilnius quando o avião foi desviado para Minsk no domingo pelas autoridades bielorrussas sob o pretexto falso de ameaça de bomba. 

Reprodução de um vídeo do ativista e jornalista Roman Protasevich, no centro de detenção em Minsk, capital bielorrussa.
Reprodução de um vídeo do ativista e jornalista Roman Protasevich, no centro de detenção em Minsk, capital bielorrussa.
Foto: AFP

O casal foi preso no aeroporto e o jovem está agora detido em Minsk, capital bielorrussa. Antes mesmo da adoção do novo pacote de sanções, a UE já tinha colocado na lista negra 88 membros do regime, incluindo o Presidente Alexander Lukashenko e sete entidades.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas