Escolha as suas informações

Vá de férias e tome a vacina
Editorial Sociedade 2 min. 01.04.2021

Vá de férias e tome a vacina

Vá de férias e tome a vacina

Editorial Sociedade 2 min. 01.04.2021

Vá de férias e tome a vacina

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
A confirmarem-se as previsões da Comissão Europeia, que a imunidade de grupo será atingida dentro de três meses, teremos, finalmente, luz verde para ir de férias no verão.

É a mais recente novidade no turismo de saúde. Pacotes turístico com vacinação contra a covid-19 incluída. A oferta turística na Rússia já está disponível para os habitantes do Luxemburgo como revelamos na edição desta semana. Cuba deverá avançar em breve com uma proposta semelhante.

Florin Balaban

Mas já há regiões dos Estados Unidos que também o estão a fazer. Nas Ilhas Virgens cerca de 3% das pessoas vacinadas foram turistas revela uma reportagem publicada no “The New York Times”. E até já há anúncios na internet para fazer a marcação para tomar a vacina neste território.

Esta semana, a Comissão Europeia prometeu que até 14 de julho deverá ser atingida a imunidade de grupo na Europa. “Temos agora 52 fábricas a trabalhar 24 horas por dia, sete dias por semana na Europa para produzir” vacinas Covid-19, disse o Comissário Europeu para o Mercado Interno.

Será a luz verde para que possamos passar as nossas férias, sem restrições, já este ano? Esperemos que sim.

Para quem regressa de Portugal ao Luxemburgo há uma boa novidade: a partir de agora as companhias aéreas passam a aceitar o teste rápido para aterrar no aeroporto de Findel.

Ondas de revolta

Num país sereno como o Luxemburgo, os protestos sociais começam a multiplicar-se. E ainda bem. É um sinal que a população está mais reivindicativa. Esta semana publicamos uma reportagem onde se ouvem as vozes de protesto dos habitantes do Luxemburgo para exigir habitação em condições a preços comportáveis. Centenas de pessoas desfilaram, sábado passado pelas ruas da capital luxemburguesa para reivindicar casas para todos a preços acessíveis.

Mas as lutas não ficam por aqui. Na próxima sexta-feira é a vez dos representantes dos bares e restaurantes voltarem a sair à rua para exigir a reabertura do setor que está fechado há quase cinco meses. No que será o 5° protesto do setor da Horeca. Nesta edição o jornalista do Contacto, Ricardo J. Rodrigues faz o retrato de um dos líderes mais importantes deste movimento, Clément Elie. “Mesmo que não consigamos ganhar sempre, é importante lutar, levantar a voz, fazermos ver o desespero em que estamos”, afirma .


Tesourada na pandemia
São mulheres e homens portugueses e uma franco-italiana. A pandemia tirou-lhes os clientes e pintou-lhes os dias com uma cor mais escura. Eles e elas, cada um à sua maneira, deram-lhe a volta porque "é preciso aprender a viver com o vírus".

Sem protestos, há um setor económico que está a reinventar-se para responder a crise provocada pela pandemia. De portas abertas, mas com muitas restrições, os salão de cabeleireiro estão a dar “uma tesourada na pandemia” como revelamos na reportagem da jornalista do Contacto, Catarina Osório.

Entre tesouras e secadores descobrimos uma história de resistência de uma mulher que fez parte da viagem de Portugal ao Luxemburgo, a pé, quando tinha apenas nove anos. Estávamos em 1971. Hoje, Graça da Silva é uma empresária de sucesso no setor dos cabeleireiros.

Histórias de resistência à pandemia e confinamento que que continua a afetar a saúde mental da população também no Luxemburgo. Esta semana publicamos os resultados de um estudo que mostra que 76% dos inquiridos revelam-se frágeis e stressados. A bem da nossa saúde mental esperemos que se confirmem as previsões de imunidade de grupo, já em julho, deste ano. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Prometeram-nos que no verão a “imunidade do grupo” já deveria estar a funcionar em pleno na Europa. Mas as novas vagas de contágio, provocadas pela variante Delta estão a complicar esta equação. Nunca nos devemos esquecer que a vacinação massiva continuar a ser a única solução para esta pandemia.