Escolha as suas informações

Uma invasão de javalis no Luxemburgo?
Sociedade 4 min. 02.08.2022
Vida animal

Uma invasão de javalis no Luxemburgo?

A taxa de reprodução dos javalis é de cerca de 250%. Onde hoje vivem 100 porcos-bravos, no ano seguinte haveria 350, se a caça não fosse praticada.
Vida animal

Uma invasão de javalis no Luxemburgo?

A taxa de reprodução dos javalis é de cerca de 250%. Onde hoje vivem 100 porcos-bravos, no ano seguinte haveria 350, se a caça não fosse praticada.
Foto: Shutterstock
Sociedade 4 min. 02.08.2022
Vida animal

Uma invasão de javalis no Luxemburgo?

Jean-Philippe SCHMIT
Jean-Philippe SCHMIT
Se há um ser que parece não reclamar do aquecimento global é o javali. A sua proliferação vive uma dinâmica espetacular no Luxemburgo, ao ponto da Administração da Natureza procurar soluções para travar o seu crescimento.

Nas últimas décadas o Luxemburgo viu a população de javalis crescer exponencialmente. Entre 1980 e 2020, o número de animais abatidos aumentou 800%.

"O javali é uma espécie que se pode reproduzir de forma explosiva graças a uma alta taxa de reprodução", explica Marianne Jacobs, responsável pela caça da Administração da Natureza e Florestas (ANF). "A tendência não se limita ao Luxemburgo, observa-se em toda a Europa", acrescenta. 

"A taxa de reprodução dos javalis é de cerca de 250%", escreve a federação alemã de caça. Onde vivem hoje 100 javalis, haveria 350 animais, no ano seguinte, se a caça não fosse praticada.

Javalis estão entre os 'vencedores' das alterações climáticas

As razões para o aumento das populações deste animal são várias e são favorecidas pelas alterações climáticas. O clima mais quente garante, por um lado, que "os alimentos estejam permanentemente disponíveis" e, por outro lado, que a mortalidade diminua devido aos invernos mais amenos.

Já outros animais sofrem com o apetite deste porco-bravo. "Por um lado, a biodiversidade animal pode estar ameaçada", diz Marianne Jacobs. Os ninhos de aves que nidificam no solo, por exemplo, podem ser destruídos em maior número, junto com os ovos. 

A diversidade de plantas também pode ser afetada. Uma manada de javalis pode destruir biótopos importantes ou "desenterrar seletivamente plantas raras como orquídeas". 

Os javalis são também um problema para a regeneração natural. Estes porcos-bravos comem as árvores que voltam a crescer, e a floresta não consegue renovar-se, envelhecendo cada vez mais. Este é um grande problema, especialmente no contexto das alterções climáticas. 

Agricultores estão entre as vítimas

"Os javalis causam principalmente danos financeiros às culturas agrícolas", explica Marianne Jacobs, acrescentando que é o organismo responsável pela caça ao animal quem arca com estes danos. 

Se o dano ocorrer em jardins privados é o proprietário quem os deve assumir. Os danos causados ​​por escavações em jardins privados são relativamente raros, mas "nos últimos anos temos recebido cada vez mais casos desse tipo".

Marianne Jacobs
Marianne Jacobs
Photo: LW-Archive

A solução é simples: devemos impedir que os animais selvagens encontrem comida. A ANF não fala apenas na comida do gato ou dos alimentos da horta, mas também na pilha de compostagem ou nos caixotes do lixo, que atraem muitos animais. 

Uma simples cerca é suficiente

"Na maioria dos casos, um jardim cercado impede a entrada de javalis", assegura Marianne Jacobs. Mas "até agora", não houve acidentes entre javalis e caminhantes no Luxemburgo. No futuro, no entanto, o problema dos javalis provavelmente aumentará. O crescimento está longe de ter atingido os seus limites, considera a técnica.

Para conter este desenvolvimento, o Ministério do Ambiente criou um grupo de trabalho, com o objetivo de elaborar um plano nacional de gestão do javali. A situação no Luxemburgo será analisada e serão propostas soluções para o problema.

Soluções não letais estudadas

"Estudos mostram que pelo menos 67% de uma população de javalis deve ser capturada para a estabilizar", explica Marianne Jacobs. Esta estabilização está prevista apenas como um segundo passo. Antes disso, "é preciso haver uma redução significativa". Mas soluções não letais, como a esterilização, não são uma solução viável, acredita a especialista. No entanto, "outros métodos que levam a um aumento das capturas de javalis estão atualmente em estudado no plano de gestão de javalis".

Lino Mirgeler/dpa

Javalis fazem parte da dieta dos lobos

O apoio para conter a ameaça de uma invasão de javalis pode vir de outro animal selvagem: o lobo. "Estudos realizados no estrangeiro mostram que os javalis fazem claramente parte do espectro alimentar do lobo: até um terço da alimentação deste animal é composta de javalis".

Mas até agora não houve evidências no Luxemburgo de que algum lobo tenha morto um javali, de acordo com a técnica da ANF. Uma coisa é certa: a caça deve aumentar para que o número de javalis não cresça ainda mais no Grão-Ducado. Para isso, é necessário planear melhor as caçadas e testar outros métodos de caça.

"Embora os caçadores estejam dispostos a enfrentar o problema, os métodos de caça atuais não conseguem regular as populações", admite Marianne Jacobs. Atualmente, apenas a caça silenciosa, a caçada à espreita ou em movimento são autorizadas. Outros métodos podem ser adicionados no futuro.


Os castores regressaram ao Luxemburgo e formam hoje mais de 40 colónias no país.
No Luxemburgo há lobos, castores, veados e também um livro para celebrá-los
Chega esta semana às livrarias “Les mammifères du Luxembourg”, um guia dos mamíferos que habitam o Grão-Ducado. Há algumas supresas: o regresso de espécies extintas, a diversidade de morcegos e até um capítulo sobre o Homem. Todas as espécies estão identificadas em português.

Além disso, uma melhor comercialização da carne de caça poderia também contribuir para aumentar a vontade em fazer mais eventos de caça.

(Este artigo foi originalmente publicado na edição alemã do Luxemburger Wort.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.