Escolha as suas informações

Uma em cada três crianças menores de 5 anos sofre de desnutrição ou excesso de peso
Sociedade 2 min. 16.10.2019

Uma em cada três crianças menores de 5 anos sofre de desnutrição ou excesso de peso

Uma em cada três crianças menores de 5 anos sofre de desnutrição ou excesso de peso

Sociedade 2 min. 16.10.2019

Uma em cada três crianças menores de 5 anos sofre de desnutrição ou excesso de peso

Os problemas descritos no relatório da Unicef começam nos primeiros meses de vida, pois apenas dois em cada cinco bebés com menos de seis meses alimentam-se exclusivamente de leite materno, conforme recomendado por especialistas.

Pelo menos uma em cada três crianças menores de 5 anos no mundo sofre de desnutrição ou excesso de peso, de acordo com um novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

No relatório tornado público esta terça-feira, a Unicef alerta que milhões de crianças estão a comer pouca comida de que necessitam e demasiada daquela de que não precisam.


Mais de 24 milhões de crianças expostas a conflitos precisam de apoio psicológico
Mais de 24 milhões de crianças, entre 142 milhões que vivem em zonas de conflito de "elevada intensidade", precisarão de apoio psicológico, alertou hoje a organização Save the Children, pedindo um aumento dos recursos agora "insuficientes" para adquiri-lo.

O resultado, de acordo com a Unicef, é que muitas crianças correm risco de desenvolvimento cerebral fraco, problemas de aprendizagem, imunização e sofrem mais infeções e doenças.

"Milhões de crianças sobrevivem com dietas não saudáveis porque não têm melhor opção", explica a diretora executiva da agência da ONU, Henrietta Fore.

De acordo com a Unicef, é necessário mudar a forma como as pessoas pensam e respondem à desnutrição: "não é apenas que as crianças comem o suficiente, mas sim dar-lhes a comida certa".

O relatório divide os problemas de desnutrição em três tipos: crianças desnutridas, fome invisível causada pela falta de nutrientes essenciais e excesso de peso.

De acordo com dados da Unicef, 149 milhões de crianças menores de 5 anos no mundo são muito baixas para a idade que têm como resultado de má alimentação, enquanto 50 milhões são muito magras.

As crianças magras demais, um problema que em situações mais graves pode ser letal, concentram-se na Ásia e não em países com situações de emergência como as encontradas em vários países africanos.

Além disso, 340 milhões - uma em cada duas crianças nessa faixa etária - sofrem de deficiências de vitaminas e nutrientes essenciais, como vitamina A ou ferro.


Crianças uigures são mantidas em internatos sem consentimento. ONG pede à China que as devolva às famílias
Os pais destas crianças estão detidos em campos de doutrinação política ou exilados, e na maior parte das vezes não tem acesso aos filhos, denuncia a a Human Rights Watch.

Ainda, 40 milhões sofrem de sobrepeso ou obesidade, um problema que explodiu nos últimos anos.

Os problemas, conforme descritos no relatório, começam nos primeiros meses de vida, pois apenas dois em cada cinco bebés com menos de seis meses alimentam-se exclusivamente de leite materno, conforme recomendado por especialistas.

O uso de fórmula infantil para amamentação aumentou significativamente nos últimos anos, com um crescimento de 41% em todo o mundo entre 2008 e 2013 e disparando 72% em países como Brasil, China ou Turquia

Na próxima etapa, de 6 meses a dois anos, 44% das crianças não comem frutas ou vegetais e 59% não comem ovos, laticínios, peixe ou carne, relata o Unicef.

No caso de crianças em idade escolar, o relatório alerta sobre o abuso de alimentos ultraprocessados, refrigerantes e ‘fast food’.

Como exemplo, a Unicef aponta que 42% dos adolescentes que frequentam a escola em países em desenvolvimento e subdesenvolvimento consomem bebidas carbonatadas cheias de açúcar pelo menos uma vez por dia.

Famílias com menos recursos tendem a alimentar os seus filhos com alimentos de menor qualidade, cujo custo é cada vez menor, em contraste com o aumento dos preços de produtos saudáveis.


Pobreza e oferta desportiva desequilibrada têm um impacto negativo no peso das raparigas
A prevalência da obesidade é maior em raparigas, devido a uma menor oferta de atividades desportivas, e em crianças de classes sociais mais baixas, conclui um estudo da Universidade de Coimbra.

Por exemplo, num país altamente desenvolvido, como o Reino Unido, a taxa de sobrepeso dobra nas localidades mais pobres em comparação às mais ricas.

"Estamos a perder espaço na luta por dietas saudáveis”, alertou Henrietta Forre, apelando a que os governos, o setor privado e a sociedade civil se unam para alcançar melhores resultados.

Lusa


Notícias relacionadas