Escolha as suas informações

Um terço dos doentes covid-19 desenvolve doenças mentais ou neurológicas
Sociedade 3 min. 07.04.2021

Um terço dos doentes covid-19 desenvolve doenças mentais ou neurológicas

Um terço dos doentes covid-19 desenvolve doenças mentais ou neurológicas

Sociedade 3 min. 07.04.2021

Um terço dos doentes covid-19 desenvolve doenças mentais ou neurológicas

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Ansiedade e perturbações de humor são alguns dos problemas identificados mais comuns, mas há também condições neurológicas, como AVC e demência, diagnosticas, sobretudo entre os doentes mais graves.

Uma em cada três pessoas que foram infetadas com covid-19 pode desenvolver problemas de saúde mental ou neurológicos até seis meses depois de recuperar.

A conclusão é de uma investigação publicada, esta terça-feira, na revista Lancet Psychyatry, o "maior estudo" deste género, realizado até à data, segundo a equipa de investigadores.

"Foram relatadas sequelas neurológicas e psiquiátricas da covid-19, mas são necessários mais dados para avaliar adequadamente os seus efeitos na saúde cerebral", começam por referir os cientistas, que tiveram como objetivo "fornecer estimativas robustas das taxas de incidência e dos riscos relativos dos diagnósticos neurológicos e psiquiátricos em pacientes nos seis meses seguintes a um diagnóstico da covid-19".

Apesar do reconhecimento de que são precisos mais dados, as conclusões do estudo apontam já alguns problemas concretos, com a ansiedade e perturbações de humor a aparecerem entre os mais comuns.

Os investigadores notam que 34% dos 236.379 pacientes com covid-19 analisados - a análise foi feita a partir dos seus registos eletrónicos - foi diagnosticado com uma doença neurológica ou psiquiátrica, num prazo de seis meses após a infeção.


São precisos "estudos de longa duração pós infeção para saber o real impacto cardiovascular" da covid-19
Em entrevista ao Contacto, Lino Ferreira, que lidera a equipa portuguesa que participa no projeto Covirna, coordenado pelo Instituto de Saúde do Luxemburgo, explica que ainda há muito que não se sabe sobre as consequências do coronavírus no corpo humano.

A investigação, apoiada pelo Centro de Pesquisa de Saúde Biomédica de Oxford, concluiu que a ansiedade (17%) e as perturbações do humor (14%) foram os diagnósticos mais comuns. 

Para 13% do universo investigado, este foi o primeiro diagnóstico neurológico ou psiquiátrico que tiveram de fazer, o que aponta para que não tivessem antecedentes nesse aspeto.

A incidência de condições neurológicas, como hemorragia cerebral (0,6%), AVC (2,1%) e demência (0,7%) foi globalmente mais baixa, mas o risco foi geralmente maior entre os pacientes que tinham estado gravemente doentes.

Em doentes graves o risco de problemas neurológicos afeta quase metade

A investigação concluiu também que o risco de desenvolver perturbações a longo prazo é maior em doentes hospitalizados com sintomas graves da doença, atingindo quase metade.

Segundo o estudo, 46% dos pacientes internados nos cuidados intensivos  apresentaram um diagnóstico de perturbações neurológicas ou psiquiátricas seis meses após a infeção. 


Imagem de arquivo
Mulheres demoram mais tempo a curar-se da covid-19
Estudo revela que mulheres em idade ativa e com doença leve são quem mais reporta sintomas prolongados da doença. Fadiga e confusão mental são alguns dos mais comuns.

Quase 7% dos pacientes que tiveram de ser reanimados tiveram um AVC a seguir, 2,7% sofreram uma hemorragia cerebral e quase 2% desenvolveram demência, por comparação, respetivamente, com 1,3%, 0,3%, e 0,4% dos doentes covid-19 que não foram hospitalizados. 

Impacto da covid-19 maior que o da gripe e de outras doenças respiratórias

Os investigadores também examinaram dados de mais de 100.000 pacientes com um diagnóstico de gripe e mais de 236.000 pacientes diagnosticados de infeções respiratórias. 

Foi detetado que o risco de diagnósticos neurológicos ou psiquiátricos, em geral, era 44% mais elevado após a covid-19 do que depois da gripe, e 16% mais elevado do que após uma infecão do trato respiratório.

Sequelas tornam-se crónicas e sistemas de saúde têm de se preparar

Paul Harrison, investigador da Universidade de Oxford e autor principal do estudo salienta que, embora o risco individual da maioria destas perturbações neurológicas e psiquiátricas seja baixo, o efeito nos sistemas de saúde pode ser "considerável" devido à escala da pandemia.

Por outro lado, aponta que muitas destas perturbações são "crónicas" e é preciso que os sistemas de saúde sejam dotados de recursos "para lidar com as necessidades" que se avizinham.

Estes dados "confirmam a alta taxa de diagnósticos psiquiátricos após a covid-19 e mostram que também ocorrem problemas sérios no sistema nervoso, tais como acidentes vasculares e demências, que embora mais raros, são significativos, sobretudo em quem teve casos graves de covid-19", remata.

Max Taquet, co-autor do estudo acrescenta que falta agora perceber "o que acontece para além dos seis meses". 

"O estudo não consegue revelar os mecanismos envolvidos mas evidencia a necessidade de investigar urgentemente para os identificar, prevenir ou tratar", defende.



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas