Escolha as suas informações

Twitter e Facebook censuram post de Trump que alega fraude eleitoral
Sociedade 04.11.2020 Do nosso arquivo online

Twitter e Facebook censuram post de Trump que alega fraude eleitoral

Twitter e Facebook censuram post de Trump que alega fraude eleitoral

Foto: AFP
Sociedade 04.11.2020 Do nosso arquivo online

Twitter e Facebook censuram post de Trump que alega fraude eleitoral

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Donald Trump alegou esta manhã nas redes sociais a existência de fraude no processo eleitoral. Twitter e Facebook censuraram o post mas só uma limitou a sua propagação.

O presidente norte-americano, Donald Trump, alegou esta quarta-feira de manhã que estaria a existir fraude na contagem dos votos com pessoas a votar já após o fecho das urnas. A alegação foi feita nas redes sociais Twitter e Facebook que censuraram o post com a mensagem: "We are up BIG, but they are trying to STEAL the Election. We will never let them do it. Votes cannot be cast after the Polls are closed!" [Estamos a crescer, mas eles estão a tentar roubar-nos a eleição. Não os deixaremos. Os votos não podem ser feitos após o fecho das urnas.]

Do lado do Twitter, para além de ter escondido o post os responsáveis colocaram uma mensagem a informar que "o conteúdo partilhado é enganador sobre o processo de participaçã0 numa eleição". Ao mesmo tempo impediu os 'gostos' e partilhas pelos utilizadores. 

Já o Facebook identificou o post, dizendo que a contagem total ainda não está completa e que "nenhum candidato foi dado como possível vencedor". A rede de Mark Zuckerberg não restringiu, contudo, as partilhas e os comentários ao post. 

Segundo o The New York Times, foi a primeira vez que o Facebook usou uma classificação deste tipo, como parte do plano da empresa de adicionar informação aos posts sobre as eleições deste ano. As duas redes sociais têm feito a verificação de factos em posts de Trump, sendo que o Twitter tem sido o mais contundente, tendo mesmo levado o Presidente a assinar uma ordem executiva para limitar os poderes das gigantes tecnológicas. 

Minutos após as mensagens de Trump, o candidato democrata, Joe Biden, reagiu no Twitter dizendo que não cabe ao próprio ou a Trump declararem-se vencedores, "mas sim aos eleitores". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O diretor de estratégia política pública do Twitter, Nick Pickles, declarou hoje durante uma audição parlamentar no Reino Unido, que os ‘tweets’ de Donald Trump são examinados da mesma forma que os provenientes de outras contas verificadas.