Escolha as suas informações

Três paraplégicos voltam a andar com implantes eletrónicos
Sociedade 09.02.2022
Tecnologia

Três paraplégicos voltam a andar com implantes eletrónicos

Tecnologia

Três paraplégicos voltam a andar com implantes eletrónicos

Foto: Pixabay
Sociedade 09.02.2022
Tecnologia

Três paraplégicos voltam a andar com implantes eletrónicos

Redação
Redação
A tecnologia desenvolvida na Suíça permite que pessoas com lesões da medula espinhal recuperem os movimentos.

Três pessoas paraplégicas após acidentes de mota conseguiram recuperar movimentos após uma cirurgia inovadora. A operação consistiu em implantar 16 elétrodos que emitem pulsos elétricos ao longo da medula espinhal, que liga o cérebro aos membros inferiores, em três homens com idades entre os 29 e 41 anos. "Um dia depois, vi que as minhas pernas estavam novamente em movimento; foi uma emoção muito intensa", disse Michel Rocatti, um dos três pacientes, citado pelo El Pais. 

O neurocientista Grégoire Courtine, professor no Instituto Federal Suíço de Tecnologia, e a neurocirurgiã Jocelune Bloch, ambos de Lausanne, Suíça, lideraram a equipa responsável pelo procedimento, que durou quatro horas. 

Os elétrodos implantados emitem impulsos elétricos sincronizados que imitam os sinais que circulam ao longo da medula espinhal. Estes estão ligados a um computador com um sistema de inteligência artificial que reproduz os impulsos necessários para caminhar, andar numa bicicleta especial, remar uma canoa (no caso de um paciente sem mobilidade torácica inferior). Estas são três das atividades que os participantes deste estudo, publicado na Nature Medicine, conseguiram realizar. 

Esta equipa suíça tenta há anos restaurar a mobilidade das pessoas que ficaram paraplégicas após acidentes. Em 2014, testou o sistema em ratos-domésticos e dois anos depois em macacos. Em 2018, foi a vez de o aplicar a um jovem paraplégico de 20 anos que, graças a esta estimulação, voltou a andar com a ajuda de um andarilho. 

O aperfeiçoamento dos movimentos levou algum tempo, mas após quatro ou cinco meses, Rocatti foi capaz de descer a rua e sair para beber um copo num bar com um andarilho, a partir do qual pode controlar a intensidade e a cadência dos impulsos elétricos. "Quando uso o dispositivo sinto-me melhor, sinto-me mais forte e a dor associada à cadeira de rodas desaparece", garantiu. 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.