Escolha as suas informações

Trabalhos continuam um ano após apresentação do relatório Waringo
Sociedade 17.02.2021

Trabalhos continuam um ano após apresentação do relatório Waringo

Trabalhos continuam um ano após apresentação do relatório Waringo

Foto: Guy Wolff/Luxemburger Wort
Sociedade 17.02.2021

Trabalhos continuam um ano após apresentação do relatório Waringo

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O relatório Waringo foi pedido pelo próprio Xavier Bettel em meados de 2019, com o objetivo de reformar a gestão e funcionamento da corte grã-ducal.

Um ano após a publicação do relatório Waringo que analisou e propõs uma reforma na organização da corte grã-ducal, o primeiro-ministro, Xavier Bettel, foi esta terça-feira ao Parlamento fazer o ponto da situação na comissão parlamentar das Instituições.

Sem avançar grandes novidades, o chefe do Executivo disse aos deputados que os trabalhos à volta da reforma estão "a decorrer de forma eficaz e transparente", acrescentando que o recrutamento de novos trabalhadores está a ser feito segundo critérios claros. Bettel relembrou ainda aos deputados o envelope do Orçamento de Estado (OE) para 2021 destinado à  corte grã-ducal - 17,5 milhões de euros -um aumento de 6,9 milhões de euros em comparação com 2020. Segundo explicou, este aumento deve-se ao facto de algumas despesas terem estado no passado repartidas por diferentes administrações estatais, mas que passam a partir de agora a estar centralizadas.

Bettel frisou ainda que o bem-estar do pessoal está a ser supervisionado pela Marechala da Corte, que cargo que integra a Casa do Grão-Duque, cargo ocupado atualmente por  Yuriko Backes, diplomata luxemburguesa. 

A Casa do Grão-Duque foi um organismo criado pelo primeiro-ministro, Xavier Bettel, na sequência do polémico relatório Waringo e que tem como objetivo trazer "mais clareza e transparência" ao funcionamento da corte. O Governo pretende uma clara separação entre as atividades da casa real e as da administração da Casa do Grão-Duque. 


Corte grã-ducal. Processo sobre violência física arquivado
O Ministério Público arquivou o processo sobre os alegados casos de violência física na corte grã-ducal. Em causa, falta de indícios.

Com a reorganização das instituições da monarquia a decorrer, o primeiro-ministro não se quis comprometer com datas quanto à finalização dos trabalhos, prevendo apenas que há ainda muito por fazer nesta matéria. O relatório Waringo foi pedido pelo próprio Xavier Bettel em meados de 2019, depois de a imprensa ter divulgado mexidas constantes nos recursos humanos no Palácio.



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Reforma da corte grã-ducal cada vez mais perto
A partir das conclusões do documento que analisou a gestão financeira da corte são propostas várias mudanças no projeto de decreto apresentado esta quarta-feira, por Xavier Bettel, aos deputados.