Escolha as suas informações

Trabalhadores no Luxemburgo contra Estado português vão a tribunal na sexta-feira
Sociedade 2 min. 25.01.2021

Trabalhadores no Luxemburgo contra Estado português vão a tribunal na sexta-feira

Trabalhadores no Luxemburgo contra Estado português vão a tribunal na sexta-feira

Foto: Guy Jallay
Sociedade 2 min. 25.01.2021

Trabalhadores no Luxemburgo contra Estado português vão a tribunal na sexta-feira

Lusa
Lusa
Os três trabalhadores na Embaixada de Portugal no Luxemburgo que colocaram o Estado português em tribunal por causa da atualização salarial terão sexta-feira a primeira sessão no tribunal, com Portugal a defender-se com a lei laboral portuguesa.

Os três trabalhadores reclamam a aplicação da lei luxemburguesa, que atualiza os salários em função do valor da inflação naquele país.

Por lei, a entidade patronal é obrigada a pagar estas atualizações, arriscando uma multa até 25 mil euros se o não fizer, que aumenta para o dobro em caso de reincidência no prazo de dois anos, ao abrigo do artigo 223.º do Código do Direito do Trabalho luxemburguês.

Portugal considera que não tem de fazer essa atualização, uma vez que, mediante a aplicação da legislação em Portugal, estes trabalhadores recebem subsídio de férias, de Natal e subsídio de alimentação, o que não acontece com os funcionários luxemburgueses.

De acordo com Eduardo Dias, da central sindical luxemburguesa OGB-L, que está a acompanhar os três trabalhadores, a interpretação do Estado português entende-se no caso de funcionários da Administração Pública portuguesa deslocados ou em missão, mas não no caso de "trabalhadores contratados localmente".

Para estes, disse à agência Lusa, a lei a aplicar deve ser a luxemburguesa e, por isso, os trabalhadores têm direito a ver os seus salários serem atualizados mediante a inflação. A primeira sessão em tribunal está marcada para sexta-feira, devendo decidir-se nesse dia um acordo ou a marcação de julgamento, segundo Eduardo Dias.

Contactado pela Lusa, o embaixador de Portugal no Luxemburgo, António Gamito, disse conhecer a situação e os trabalhadores em questão, mas escusou-se a comentar a mesma, afirmando apenas que segue as orientações de Lisboa.


Tribunal do Luxemburgo pediu à ADEM para pagar subsídio de desemprego a ex-funcionária da Embaixada de Portugal
A Justiça luxemburguesa já tinha condenado o Estado português ao pagamento de várias indemnizações, num total de cerca de 20 mil euros, no caso do despedimento ilegal da empregada limpeza a trabalhar na embaixada de Portugal no Luxemburgo.

Essas orientações vão no sentido de argumentar as razões para a lei laboral luxemburguesa não ser aplicada neste caso, uma vez que é seguida a portuguesa, com o respetivo pagamento do 13º e 14º mês e o subsídio de alimentação.

Esses valores, disse o diplomata, compensam o valor da atualização salarial. Ainda assim, prosseguiu, é preciso aguardar pelo desenrolar dos acontecimentos.

Em 2018, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, negou que o Estado português esteja a violar a lei laboral luxemburguesa no caso dos trabalhadores consulares que não receberam as atualizações previstas no Código do Trabalho do Luxemburgo.

"A orientação que nós seguimos é a de atualizar os salários dos nossos funcionários de acordo com a lei portuguesa", disse à Lusa o ministro, à margem do Conselho dos Negócios Estrangeiros, que se realizou hoje no Luxemburgo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Embaixada de Portugal no Luxemburgo abriu concurso para regularizar a situação de uma trabalhadora na residência do embaixador, mas a remuneração estabelecida é inferior ao salário mínimo luxemburguês. O Código do Trabalho do Luxemburgo pune este tipo de infração com coimas que podem ir até aos 25 mil euros. O caso foi denunciado pela OGBL.
Há portugueses recrutados por empresas de construção em Portugal para trabalhar no Luxemburgo que acabam a ser explorados. Recebem salários muito abaixo do mínimo luxemburguês e trabalham domingos e feriados. Sem conhecerem o país nem a língua, são poucos os que apresentam queixa, diz o 
sindicato LCGB.