Escolha as suas informações

Taxa sobre bebidas açucaradas e doces no Luxemburgo?
Sociedade 04.08.2022
Obesidade

Taxa sobre bebidas açucaradas e doces no Luxemburgo?

Obesidade

Taxa sobre bebidas açucaradas e doces no Luxemburgo?

Foto: Unsplash
Sociedade 04.08.2022
Obesidade

Taxa sobre bebidas açucaradas e doces no Luxemburgo?

Diana ALVES
Diana ALVES
Mais de 16% dos alunos dos 9 aos 10 anos tinham excesso de peso em 2019/2020 no país.

A introdução de uma taxa sobre as bebidas açucaradas e outros doces não está completamente fora dos planos do Governo luxemburguês.

Questionada sobre o assunto pelos deputados Josée Lorsché e Marc Hansen, do Déi Gréng, a ministra da Saúde reconhece que essa é uma estratégia que tem sido adotada por vários Estados-membros e que "força os produtores a rever a quantidade de açúcar em certas bebidas, por exemplo".

Segundo Paulette Lenert, estão a ser estudadas neste momento "diferentes abordagens nesta matéria para analisar em que medida poderão ser transpostas para o contexto luxemburguês".

Na questão dirigida à ministra da Saúde, os deputados ecologistas queriam também saber se a taxa de obesidade infantil aumentou no Luxemburgo durante a pandemia, à semelhança do que aconteceu nos países vizinhos. 


França. Casos de obesidade infantil quase duplicaram durante a crise sanitária
Os autores analisaram exames regulares a quase 50 mil crianças e os dados mostram que a proporção de crianças obesas quase duplicou nos dois anos da crise sanitária, de 2,8% para 4,6%.

De acordo com Lenert, o efeito dos sucessivos confinamentos na obesidade infantil ainda não é conhecido, mas se a tendência for a mesma dos últimos cinco anos, as notícias não serão boas. 

A ministra da Saúde refere que o próximo estudo EHIS sobre obesidade, nutrição e atividade física no Luxemburgo, para o período 2019-2024, só será tornado público em 2025. Para já, não é possível tirar conclusões sobre os efeitos da pandemia.


Investigadores do Luxemburgo querem acabar com o estigma do peso associado à obesidade
Investigadores do instituto querem que a doença seja abordada de forma abrangente e que sejam reconhecidos os vários fatores que para ela contribuem, combatendo a perceção estereotipada de que as pessoas obesas são de alguma forma responsáveis pelo seu peso.

No entanto, a última edição daquele estudo já tinha revelado um aumento da obesidade no Luxemburgo em todas as categorias de idade, à exceção do grupo dos 35-44 anos e do grupo das pessoas a partir dos 75.


Não é só o açúcar. Há adoçantes que podem provocar cancro
Num estudo que envolveu mais de 10 anos de pesquisa e milhares de franceses, foram observados riscos mais elevados de cancro da mama e os ligados à obesidade entre os consumidores de adoçantes.

Em relação às crianças e adolescentes, os dados recolhidos durante as visitas médicas às escolas nos anos anteriores ao início do primeiro confinamento dão também conta de uma "tendência crescente" da taxa de excesso de peso e obesidade. Esses dados revelaram, por exemplo, um aumento da obesidade entre as crianças com mais de 12 anos. 

Outra das conclusões que salta à vista diz respeito ao aumento do número de crianças com excesso de peso: 16,4% dos alunos dos 9 aos 10 anos tinham excesso de peso em 2019/2020. No ano letivo de 2015/2016, essa percentagem era de 10,2%.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

António Gamito, Embaixador de Portugal no Grão-Ducado, a ministra da Saúde luxemburguesa, Paulette Lenert, e o embaixador de Cabo Verde no Grão-Ducado, Carlos Semedo, deram esta segunda-feira uma conferência de imprensa no Ministério da Sáude, direcionada para os lusófonos, na qual pediram aos membros da comunidade residente no país para continuarem a cumprir as medidas preconizadas no combate ao coronavírus.
A escola "précoce" não chega a todas as crianças de três anos de idade. Segundo um estudo da Universidade do Luxemburgo (UNI), revelado esta quarta-feira, no ano lectivo de 2013/2014, apenas 63,5% das crianças tiveram vaga na escola infantil pública. A maior parte são crianças luxemburguesas, logo seguidas das crianças portuguesas.