Escolha as suas informações

Suspeito da morte de Maëlys de Araujo condenado por outro homicídio
Sociedade 2 min. 12.05.2021

Suspeito da morte de Maëlys de Araujo condenado por outro homicídio

Suspeito da morte de Maëlys de Araujo condenado por outro homicídio

Foto: AFP
Sociedade 2 min. 12.05.2021

Suspeito da morte de Maëlys de Araujo condenado por outro homicídio

Lusa
Lusa
Nodahl Lelandais foi sentenciado a 20 anos de prisão após ter reconhecido ter matado um jovem militar. Será julgado pelo homicídio da menina lusodescendente em 2022.

Nordahl Lelandais, suspeito da morte de Maëlys de Araujo, lusodescendente de 9 anos, foi condenado a 20 anos de prisão pela morte de um jovem militar, e não pretende recorrer da sentença, segundo anunciou o seu advogado.

Ao anúncio da sua condenação, na noite de terça-feira, Nodahl Lelandais terá ficado "impassível", segundo descreveram os jornalistas, e, após ter reconhecido matar o jovem militar Arthur Noye,​​​​​ o homicida não vai recorrer da sentença de 20 anos proferida esta na noite no tribunal de Chambéry, na região Saboia.

"Já defendi muitas famílias de vítimas e sei o que é o sofrimento de um segundo processo para estas famílias. Não recorrer é também respeitar a vítima", disse Alain Jakubowicz, advogado de Nordahl Lelandais.


Funeral de Maëlys de Araújo realizou-se hoje nove meses depois da sua morte
Várias centenas de pessoas participaram hoje na localidade de La Tour-du-Pin, no centro de França, nas cerimónias fúnebres de Maëlys de Araújo, nove meses depois do desaparecimento da menina lusodescendente, cujo corpo foi encontrado em fevereiro passado.

O Ministério Público francês tinha pedido uma pena de 30 anos devido à "gravidade do homicídio" do militar de 24 anos. A família da vítima disse estar "satisfeita" com esta condenação.

Quanto ao processo de Maëlys de Araujo, Lelandais voltará ao banco dos réus em 2022, com o julgamento a decorrer em Grenoble.

A menina lusodescendente desapareceu a 27 de agosto de 2017, numa festa de casamento, em Pont-de-Beauvoisin, e, a 31 de agosto, Nordahl Lelandais foi detido para interrogatório.

A 03 de setembro, o francês foi formalmente acusado de sequestro, na sequência da descoberta de restos de ADN da menina no seu carro e, em novembro, foi acusado de assassínio, devido a imagens de vigilância dessa noite que mostravam a menina no carro e, pouco depois, o mesmo carro já sem Maëlys.

A 14 de fevereiro de 2018, após a descoberta de um rasto de sangue da criança no seu carro, Lelandais confessou que a matou "involuntariamente" e levou a polícia até ao local montanhoso onde enterrou os seus restos mortais.

A 19 de março, na audição pelos juízes de instrução do tribunal de Grenoble, Nordahl Lelandais indicou que a menina entrou no seu carro para ir ver os seus cães e atribuiu a sua morte a uma bofetada que lhe deu quando ela entrou em pânico dentro da viatura.

Foi após a sua detenção neste caso que o assassino admitiu ter matado Arthur Noyer.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.