Escolha as suas informações

Sindicato dos professores critica fim da quarentena no ciclo 1 do ensino fundamental
Sociedade 20.01.2022
Escolas

Sindicato dos professores critica fim da quarentena no ciclo 1 do ensino fundamental

Escolas

Sindicato dos professores critica fim da quarentena no ciclo 1 do ensino fundamental

Foto: DPA
Sociedade 20.01.2022
Escolas

Sindicato dos professores critica fim da quarentena no ciclo 1 do ensino fundamental

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O sindicato relembra que no ciclo 1, a maioria das crianças não estão vacinadas e que também não há obrigatoriedade de usar máscara de proteção ao contrário dos ciclos 2 a 4.

Numa nota enviada aos pais, o ministério explica que caso haja casos positivos na turma da criança, esta deverá fazer um autoteste todos os dias, durante uma semana. O autoteste deverá ser feito com o consentimento dos pais e em casa, ou seja, não será na escola, como é o caso para as crianças dos ciclos 2 a 4.  Assim, não é necessário colocar toda a turma em quarentena. 

A quarentena só deverá acontecer a partir do sexto caso positivo na mesma sala de aula. Ora, para o sindicato dos professores, esta decisão política acarreta muitos perigos para os alunos e professores, sobretudo nesta altura em os números de novos casos são elevados.


Ministério da Educação reforça testagem no ensino fundamental, entre os 3 e os 6 anos
Crianças entre os 3 e os 6 anos têm de testar-se todos os dias caso haja uma infeção na turma, pondo assim fim à quarentena. Quem não cumprir não pode ir à escola.

O sindicato relembra que no ciclo 1, a maioria das crianças não estão vacinadas e que também não há obrigatoriedade de usar máscara de proteção ao contrário dos ciclos 2 a 4.

Para além disso, os autotestes diários também não serão realizados na escola, mas em casa, sendo que este processo está baseado na confiança nos pais. Para o sindicato, só o futuro é que dirá se a estratégia resultou.

Atualmente, há inúmeras turmas, sobretudo do ciclo 1, em quarentena. O sindicato dos professores diz perceber que esta adaptação das medidas serve para evitar que haja muitas crianças em aprendizagem a partir de casa. No entanto, sublinha que este não é o momento ideal para alterações, com o número de infeções a bater diariamente novos recordes.


As crianças até aos 14 anos de idade são as mais afetadas pela covid-19 no Luxemburgo.
Infeções entre as crianças aumentam 77% no Luxemburgo
O maior aumento de casos volta a ocorrer entre os o-14 anos de idade. Houve 34 turmas afetas pela covid-19 em 22 estabelecimentos escolares, na semana passada.

O sindicato questiona ainda que se o objetivo do Governo é que a epidemia chegue a toda a população através de uma nova vaga junto dos mais novos, então é preciso ser claro com os professores e com o resto da população.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, anunciou a simplificação do protocolo sanitário para a covid-19 das escolas, numa altura em que mais de 10 mil turmas estão sem aulas devido à pandemia.