Escolha as suas informações

Sabe qual é o maior foco de doenças nos aeroportos?
Sociedade 2 min. 07.06.2019

Sabe qual é o maior foco de doenças nos aeroportos?

Sabe qual é o maior foco de doenças nos aeroportos?

Chris Karaba
Sociedade 2 min. 07.06.2019

Sabe qual é o maior foco de doenças nos aeroportos?

 É o mais contaminado dos aeroportos e um potencial transmissor de doenças. Pelo menos o rinovírus, o das constipações, e o vírus influenza, o da gripe A, esteve presente em mais de metade destes objetos analisados. Espirros garantidos, portanto.

Sabe qual é esse objeto? As bandejas dos raios X, nas áreas de segurança aeroportuárias. As bandejas onde colocamos a bagagem de mão, os computadores, ou os sapatos, acessórios, enfim, os pertences que levamos para a cabine e que têm que passar por essa medida de segurança antes do embarque.

Agora imagine. Todo o passageiro, sem exceção, tem de ali passar e de manusear aquelas bandejas, logo a probabilidade delas transmitirem doenças, entre elas constipações e gripe, é elevada. E, em todos os aeroportos são milhões e milhões de passageiros que as usam.

Foi nesses objetos que a equipa dos investigadores finlandeses e ingleses encontraram a maior concentração de vírus, baterias e micróbios de todo o aeroporto de Helsínquia onde decorreu este estudo inédito que foi publicado na revista científica ‘BMC Infectious Diseases’.

Estes cientistas da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, e do Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar da Finlândia, examinaram todas as superfícies tocadas com frequência pelos passageiros do Aeroporto Internacional de Helsinque, Finlândia, depois dos horários de maior afluência, no inverno de 2016. E os testes realizados identificaram a presença do rinovírus, e do vírus da influenza “em mais de metade das bandejas”. Uma concentração mais elevada do que em qualquer outra das superfícies analisadas, declarou Jonathan Van-Tam, professor da Universidade de Nottingham, citado pelo New York Times. Nas casas de banho, por exemplo, não foi detetado nenhuma presença destes vírus.

Para este investigador, as conclusões deste estudo podem contribuir para educar as populações como evitar a propagação das doenças, nomeadamente as do inverno e, ajudar as autoridades na adoção de estratégias mais eficazes de saúde pública.

Sobretudo, na transmissão de patologias através de viagens aéreas. Estas “são uma causa conhecida de aceleração na difusão de doenças, como por exemplo, a gripe, que se difunde naturalmente”, disse Van-Tam.

Lavar as mãos corretamente e tossir para um lenço de papel ou mesmo para a manga da camisa ou casaco, especialmente em lugares públicos, como os aeroportos, pode ajudar a minimizar o risco de contágio, realçou este investigador

"Essas precauções simples podem ajudar a prevenir pandemias e são das mais importantes em áreas de grande movimentação, como os aeroportos, por onde passam pessoas de todas as partes do planeta”, acrescentou.

“Esta foi a primeira vez que se investigou a presença de micróbios num ambiente de aeroporto”, declarou Niina Ikonen, virologista do instituto finlandês participante no estudo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.