Escolha as suas informações

Rússia deverá aprovar segunda vacina até outubro
Sociedade 27.08.2020

Rússia deverá aprovar segunda vacina até outubro

Rússia deverá aprovar segunda vacina até outubro

AFP
Sociedade 27.08.2020

Rússia deverá aprovar segunda vacina até outubro

Depois da Sputnik V, a Rússia prepara-se para aprovar uma segunda vacina contra a covid-19.

Depois de ter aprovado a primeira vacina contra a covid-19, a Rússia espera aprovar um segundo "antídoto" já no final de setembro. O prazo depende do fim dos ensaios clínicos da nova terapêutica. 

A revelação foi feita pela vice-primeira-ministra, Tatiana Golkova. "Até hoje, não houve complicações entre os vacinados na primeira e segunda fases de testagem", assegurou a governante numa conferência de imprensa transmitida em direto nas televisões. 

Desenvolvida pelo instituto de virologia Vector, na Sibéria, a vacina tem de passar pela apreciação dos especialistas internacionais antes de ser distribuída pela população mundial. 

Em julho, o mesmo instituto trabalhava em seis vacinas. Atualmente, a OMS tem registadas 30 candidatas a vacina contra a Covid-19, em fases distintas dos ensaios clínicos.

Sputnik V

A nova vacina surge menos de um mês depois do país ter aprovado a Sputnik V, apesar do coro de críticas das autoridades de saúde internacionais, nomeadamente da Organização Mundial de Saúde (OMS), que dizem desconhecer os resultados dos passos de segurança exigidos para a aprovação dos estudos científicos. 

Apesar das reticências da comunidade internacioal, o país prepara-se para implementar um plano de vacinação em massa já em setembro. De acordo com a agência Reuters, Vladimir Putin fez inclusive saber que uma das suas filhas já tomou uma dose da cura que foi baptizada com o nome do primeiro satélite enviado para o espaço pela União Soviética. 

 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

"Sputnik V". Os países interessados na vacina russa
A Rússia anunciou na terça-feira ter descoberto a primeira vacina contra a covid-19, apesar dos especialistas da OMS recomendarem cautela nos avanços russos. Entretanto, várias nações já demonstraram interesse na poção russa.