Escolha as suas informações

Residentes no Luxemburgo satisfeitos com a vida e finanças. O pior são as relações pessoais
Sociedade 3 min. 07.11.2019

Residentes no Luxemburgo satisfeitos com a vida e finanças. O pior são as relações pessoais

Residentes no Luxemburgo satisfeitos com a vida e finanças. O pior são as relações pessoais

Sociedade 3 min. 07.11.2019

Residentes no Luxemburgo satisfeitos com a vida e finanças. O pior são as relações pessoais

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O Luxemburgo está em 7º lugar ao nível da satisfação monetária, num estudo do Eurostat. Mas na amizade e no amor cai muito na tabela.

"Afinal, quão satisfeito está com a sua vida por estes dias?". Esta foi a pergunta feita aos habitantes da União Europeia, em 2018, e os resultados do estudo do gabinete de estatísticas da União Europeia (Eurostat) são publicados hoje.

A julgar pelos resultados, a população do Luxemburgo parece não se queixar, no geral, da vida que leva neste país. 

O Grão-Ducado é o 8º país entre os 24 inquiridos da União Europeia (UE) onde os residentes estão mais satisfeitos. Entre 0 até 10, o país situa-se no nível 8 de satisfação.

Cerca de 30% da população está mesmo muito satisfeita com a vida que tem, enquanto que aproximadamente 60% dos luxemburgueses estão razoavelmente satisfeitos. Apenas cerca de 10% revelam-se pouco satisfeitos, indica o estudo. 

No geral, os habitantes do Grão-Ducado são pessoas mais satisfeitas do que a média europeia (7,3). 

Já os vizinhos alemães e franceses estão menos satisfeitos do que os habitantes do Luxemburgo. Os gauleses encontram-se mesmo abaixo da média europeia.  

Portugal insatisfeito

No geral, os mais satisfeitos são os finlandeses com 8,1, seguem-se os austríacos (8) e os dinamarqueses (7). 

O Eurostat apresenta ainda um mapa de comparação entre os níveis de satisfação de 2018 e os de 2013, revelando por exemplo que os luxemburgueses estavam mais satisfeitos no ano passado do que em 2013.

Quanto aos portugueses são dos menos satisfeitos da União Europeia, estando em 20º lugar, entre os 24 países. No final da tabela estão os búlgaros (5,4).

Finanças pessoais em alta

Outra das questões feitas no inquérito do Eurostat centrava-se na satisfação em relação às finanças pessoais.

Aqui, os habitantes do Grão-Ducado ainda se sentem mais satisfeitos, ocupando o 7º lugar na tabela dos 24 países, com um nível de satisfação 7 (entre 0 e 10).

Os dinamarqueses encontram-se em primeiro lugar com um nível de satisfação de 7,6, seguindo-se os finlandeses e suecos.

A média de satisfação dos europeus em relação às suas finanças pessoais é de 6,5. Um aumento em relação a 2013 (6,0).

Mais uma vez, os portugueses ocupam o 20º lugar da tabela, que termina com a Búlgaria (4,3).

Os autores do estudo reparam que nesta questão, o Luxemburgo manteve o mesmo nível de satisfação que possuía em 2013, a par com a Holanda e a Dinamarca.

E as relações pessoais?

Quando questionados se viviam satisfeitos com as suas relações pessoais, os luxemburgueses confessaram a sua insatisfação, tendo mesmo caído alguns lugares na tabela.

Ao nível pessoal, das relações afetivas, amores e amizades, o Grão-Ducado encontra-se em 17º lugar na tabela entre os 24, bem abaixo da média europeia (7,9). Em 2013, os habitantes deste país estavam bem mais satisfeitos, no nível 8. Os autores do estudo concluem assim que o Luxemburgo foi dos países que teve uma maior queda ao nível da satisfação no campo pessoal.

Portugal, país de afetos

E em Portugal? O país subiu para a 10º posição, com um nível de satisfação superior a 8, um salto em relação a 2013. Ao contrário do Grão-Ducado, os portugueses residentes no país natal foram dos povos cujo nível de satisfação sofreu um maior aumento.

Contrariamente, os habitantes de Malta são os mais satisfeitos com as suas relações pessoais (8,6), seguidos dos austríacos e dos eslovacos. Os búlgaros continuam no final da tabela, também nesta área (6,6).


Notícias relacionadas

Emigração para o Luxemburgo desceu 4,8%
Em 2016, 100 mil pessoas deixaram Portugal, menos 10 mil que no ano anterior. De acordo com o último Relatório da Emigração, elaborado pela Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas e divulgado na sexta-feira, do total dos 110 mil portugueses que deixaram o país, 3,355 emigraram para o Luxemburgo, menos 4,8% do que em 2015.