Escolha as suas informações

Reino Unido declara estado de emergência climática

Reino Unido declara estado de emergência climática

Foto: AFP
Sociedade 3 2 min. 02.05.2019

Reino Unido declara estado de emergência climática

O Reino Unido é o primeiro Estado no mundo a tomar esta medida.

(Notícia atualizada às 10:51.)

Os deputados britânicos aprovaram ontem, sem votos contra, a declaração de estado de emergência climática apresentada por Jeremy Corbyn, líder dos Trabalhistas. O Reino Unido é assim o primeiro Estado no mundo a tomar esta medida que, no entanto, não tem efeitos vinculativos. 

No discurso perante os deputados da Casa dos Comuns, Corbyn salientou que não há tempo a perder. "Estamos a viver uma crise climática que entrará numa espiral descontrolada a não ser que tomemos medidas rápidas e drásticas. Já não estamos a falar de um futuro distante. Estamos a falar de nada menos do que uma destruição irreversível que ocorrerá no tempo de vida dos membros desta casa".

O líder trabalhista salientou que foram os jovens que têm faltado às aulas para se manifestarem nas ruas que deram aos adultos uma lição: "Estes jovens estão à frente dos políticos no assunto mais importante dos nossos tempos". De acordo com o jornal britânico The Guardian, os deputados conservadores tiveram instruções para não se oporem à moção.

Ainda segundo este jornal, o ministro inglês do Ambiente, Michael Gove, admitiu estarmos "a viver uma emergência" e pediu uma colaboração entre todos os partidos de forma a que o Reino Unido liderasse a luta contra as alterações climáticas. Gove prometeu ainda desafiar Donald Trump, que visitará o Reino Unido no início de Junho, a alterar a sua política negacionista.

Na moção apresentada ontem, Jeremy Corbyn admitiu que as acções do grupo Extinction Rebellion (XR), os activistas que bloquearam o centro de Londres durante a semana da Páscoa, e dos jovens que se manifestaram na rua, ‘comoveram profundamente’ os membros do Parlamento, de todo o espectro político. Corbyn recebeu a mentora das greves estudantis, a sueca Greta Thunberg, e na semana passada reuniu-se com membros dos XR. 

 Uma das reivindicações dos XR, organização que nasceu há seis meses em Inglaterra e já conta com dezenas de grupos associados no mundo inteiro, era a declaração formal do estado de emergência climática. "Nós estamos a ouvir-vos", disse Corbyn, uma resposta aos activistas que têm acusado os governos de inação perante as movimentações civis.  

Ontem à noite, centenas de apoiantes deste grupo de desobediência civil pacífica, celebravam a medida em Trafalgar Square e ao mesmo tempo manifestavam-se em frente à embaixada do Brasil, numa avenida contígua, a exigir ao governo de Bolsonaro a protecção da floresta amazónica e dos povos indígenas. A estilista Vivienne Westwood discursou naquilo a que os manifestantes apelidaram de ‘Carnaval do Caos’.    

Há 15 dias, mas sem nenhuma declaração formal de emergência, os deputados do Parlamento Europeu aprovaram uma resolução não vinculativa de tornar mais ambicioso as metas dos países da União Europeia. Os deputados pediram que o plano da Comissão Europeia sobre o clima contemplasse a redução das emissões de gases de efeito de estufa de 40% para 55% em 2030.

Telma Miguel 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.