Escolha as suas informações

Realizadora luxemburguesa filma "Mãe Coragem" cabo-verdiana
Sociedade 2 5 min. 12.03.2019

Realizadora luxemburguesa filma "Mãe Coragem" cabo-verdiana

Realizadora luxemburguesa filma "Mãe Coragem" cabo-verdiana

Sociedade 2 5 min. 12.03.2019

Realizadora luxemburguesa filma "Mãe Coragem" cabo-verdiana

Paula TELO ALVES
Paula TELO ALVES
Anne Schiltz assina o retrato de uma mulher que sacrifica corpo e alma pelas filhas: Yvonne, uma empregada de limpeza com uma doença crónica que a deixa sem fôlego.

Podia ser apenas mais um episódio de "routwäissgro" ("vermelho, branco e cinza"), a série da RTL que documenta as personagens invisíveis no Luxemburgo, numa alusão às cores da bandeira luxemburguesa e às zonas cinzentas do país. Mas os documentários com imigrantes lusófonos são suficientemente raros (desde que a série começou, em 2014, contam-se pelos dedos de uma mão) para assinalar "Mãe Coragem", que vai ser exibido em ante-estreia no próximo domingo, nas Rotondes, em Bonnevoie. Para mais com uma realização de luxo.

Anne Schiltz, realizadora luxemburguesa a viver em Bruxelas, é autora de dois documentários arrasadores que mostram as franjas de uma sociedade que exclui. Em "Bureau de chômage", filmado num centro de emprego, na Bélgica, desempregados esforçam-se por provar que fizeram diligências para tentar encontrar trabalho, sob pena de perderem o subsídio de desemprego. Filmando pessoas em situação precária frente aos funcionários do centro de emprego, que os questionam de forma infantilizante ou ameaçadora, o filme expõe uma violência perturbadora, num sistema em que os desempregados são tratados como se estivessem diante de um juiz impiedoso.

Anne Schiltz realizou também, com o historiador Benoît Majerus, "Orangerie", em 2012. Um documentário polémico que mostra os doentes e o pessoal de uma unidade para psicóticos no Centro Hospitalar Neuro-Psiquiátrico, em Ettelbruck. Também aí, o documentário expõe um sistema alienante e paradoxal: os enfermeiros passam a maior parte do tempo perdidos em burocracia, a registar no computador as prestações aos doentes, sob pena de o hospital perder funcionários. Um sistema de pontos que dita que a maioria dos cuidados sejam prestados de forma coletiva e não individual, apesar de, como denuncia um enfermeiro, ser o contrário do que os doentes precisam.

O absurdo da existência humana está presente também neste "Mãe Coragem", um título com ecos da peça homónima de Bertold Brecht, a história de uma mulher que puxa uma carroça pelos campos de batalha. A realizadora diz que o título lhe veio "por associação livre", mas, tal como na peça de Brecht, há "um fardo que Yvonne arrasta todos os dias". No episódio que vamos poder ver de Anne Schiltz, uma imigrante cabo-verdiana faz limpezas, apesar de ter uma doença crónica que lhe corta a respiração. "Creio que ela não tem muita escolha, do ponto de vista profissional", conta Anne Schiltz ao Contacto. "Penso que ela teria direito a uma pensão de invalidez, com a sua doença, mas ela quer continuar, porque diz que gosta do seu trabalho, mesmo se é um trabalho duro, e depois, do ponto de vista financeiro, tem medo de não conseguir fazer face às despesas com as suas quatro filhas".

A realizadora procurava uma pessoa que valesse a pena filmar, "com uma vida diferente das outras", e depois de perguntar a alguns amigos, acabaria por encontrá-la na aldeia onde cresceu. Mal lhe bateu à porta, Anne Schiltz sabia que tinha encontrado a "sua personagem": uma mulher "com carisma", "generosa", "sorridente", que para mais conhecia a mulher que foi ama de Anne em pequena, a sua "segunda mamã". "Tudo isto fez com que rapidamente se criasse um sentimento de confiança", explica.

Apesar de à partida não procurar, como em filmes anteriores, mostrar as pessoas mais frágeis, "Mãe Coragem" tem continuidade com o trabalho da realizadora. "É alguém a priori vulnerável. Que ela esteja doente, seja empregada de limpeza, mãe solteira com quatro filhas, e, ainda por cima, cabo-verdiana no Luxemburgo, certamente que teve um papel importante [na escolha] e me tocou", diz. "Nunca tive amigos cabo-verdianos, e sim, o que me interessa no meu trabalho é mergulhar em universos novos".

Entrar em universos habitualmente fechados ao público é já uma imagem de marca de Anne Schiltz, a começar pelo documentário sobre uma unidade psiquiátrica no Luxemburgo. "Foi o antigo diretor que nos abriu as portas, e vivemos ali durante três semanas, para se habituarem a nós", conta. Entretanto, a direção do hospital mudou, e o filme foi recebido com muitas críticas. "Creio que o novo diretor teve medo", aponta, "mas é bom criar o debate". Entre as críticas estava o facto de o documentário mostrar doentes mentais, apesar de todos os que surgem no filme terem dado o seu acordo. São as mesmas críticas que foram feitas à série belga "Striptease", que inspirou a série luxemburguesa "routwäissgro". Há duas semanas, os realizadores belgas daquela série de culto apresentaram no Luxemburgo o documentário "Ni juge ni soumise", um filme que levantou polémica por mostrar delinquentes face a uma juíza de instrução. "Como conseguiram autorização destas pessoas e do sistema judicial para filmar?", perguntou alguém no público, durante o debate que se seguiu à projeção. A resposta de um dos realizadores fez rir a sala. "Bem, a Bélgica é um pequeno país, cruzamo-nos com o rei, com o príncipe, toda a gente se conhece, e é fácil fazer um telefonema e falar com as pessoas". Podia ser uma descrição do Luxemburgo, mas no Grão-Ducado o segredo continua a ser a alma do negócio, como mostra a receção ao documentário de Anne Schiltz. Perguntamos-lhe se sente resistências no Luxemburgo. A realizadora brinca: "Em qualquer caso, no documentário 'Orangerie', o diretor que nos abriu as portas era belga".

Anne Schiltz nasceu no Luxemburgo em 1975 e vive em Bruxelas. Doutorada em antropologia, trabalhou vários anos na Roménia, onde começou a fazer documentários. É irmã da geógrafa Aline Schiltz, especializada em estudos sobre a imigração portuguesa, que fez a legendagem de partes dos seus filmes, sempre que se fala português.

______

"Mãe Coragem" vai ser exibido no domingo, dia 17 de março, nas Rotondes, em Bonnevoie, a partir das 19h (precedido de um episódio da realizadora Catherine Richard, "D’Meedche mat den Déieren"/"La fille aux animaux"). O episódio de Anne Schiltz passa depois na RTL, dia 28 de abril, às 19h.


Notícias relacionadas

Neta filmou a vida da avó portuguesa num lar do Luxemburgo
O documentário “Orquídea” dá a ver uma das etapas mais difíceis na vida de uma imigrante portuguesa no Luxemburgo: a entrada num lar de idosos. Durante um ano, a realizadora Sandy Lorente filmou a avó, Orquídea Ribeiro, de 84 anos. O filme, que passa este domingo na RTL.
 As imagens mostram Orquídea Ribeiro num dos lares mais bonitos do Luxemburgo, no planalto de Rham, rodeado de muralhas medievais. Uma “fortaleza” a que os primeiros portugueses começam agora a chegar.
Cinema: Filme sobre peregrinos de Wiltz no Espaço Rotondes
O filme “A Maratona da Fé” (‘De Marathon vum Glawen’, título original), da realizadora luxemburguesa Geneviève Mersch, vai estar em exibição no próximo domingo, dia 11 de dezembro, às 19:00, no Espaço Rotondes, em Bonnevoie, na capital do país.
Estreia em Março: Documentário retrata imigrantes
 portugueses em busca do "Eldorado" luxemburguês
Quase sete anos depois do lançamento das primeiras sementes, o documentário "Eldorado", sobre a imigração portuguesa no Luxemburgo, vai finalmente chegar aos cinemas luxemburgueses. Durante três anos, os realizadores acompanharam a história de quatro imigrantes lusófonos em busca do "Eldorado" luxemburguês. O resultado é um filme a meio caminho entre o documentário e a ficção que quer mostrar as "alegrias e tristezas" dos imigrantes portugueses.