Escolha as suas informações

Próxima paragem de Merkel? As Nações Unidas, provavelmente
Sociedade 3 min. 17.01.2022
Ex-chanceler alemã

Próxima paragem de Merkel? As Nações Unidas, provavelmente

Angela Merkel deixou o cargo de chanceler alemã em dezembro de 2021.
Ex-chanceler alemã

Próxima paragem de Merkel? As Nações Unidas, provavelmente

Angela Merkel deixou o cargo de chanceler alemã em dezembro de 2021.
Foto: AFP
Sociedade 3 min. 17.01.2022
Ex-chanceler alemã

Próxima paragem de Merkel? As Nações Unidas, provavelmente

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
Guterres convidou a antiga chanceler para liderar grupo sobre a gestão dos "bens comuns" a nível global ou dirigir a poderosa convenção sobre o Clima. Segundo o jornal norte-americano Politico, Angela Merkel está a pensar.

Em setembro, com as eleições alemãs, Angela Merkel disse adeus à política ativa com uma série de homenagens e deixou a sensação de que ainda era cedo para a se dedicar à jardinagem. A edição norte-americana do jornal Politico avança esta segunda-feira, 17 de janeiro, uma possível resposta a como vai a alemã preencher o vazio da reforma.

Segundo a publicação, o Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, escreveu à ex chanceler pedindo-lhe para dirigir um grupo de alto nível de consultores sobre como desenvolver e gerir os chamados "bens comuns", onde cabem temas como a gestão dos oceanos - este ano no topo da agenda das Nações Unidas com a conferência que se realiza em Lisboa - ou a camada de ozono, por exemplo. 

Esta proposta de Guterres segue-se a um relatório que a ONU publicou em setembro, nos 75 anos da organização, chamado "A Nossa Agenda Comum" - e que é uma espécie de mapa e visão do futuro sobre os próximos 25 anos, com 12 áreas principais de ação. Seria nesta nova estratégia que Angela Merkel se integraria.

Segundo o Politico, a resposta de Merkel ainda não chegou. Mas há outro cargo, onde, diz a publicação norte-americana, vários diplomatas gostariam de ver a antiga líder da Alemanha, e que durante os últimos anos foi uma voz forte na Europa na luta contra as alterações climáticas: a de secretária executiva da convenção sobre o clima. A ideia é que este lugar é de mais ação e Merkel é conhecida por gostar de fazer andar as coisas para a frente e ter uma voz influente. Preferindo estes lugares a outros mais de consultoria.

Mundo de mulheres

No verão, o mandato de seis anos da mexicana Patricia Espinosa como responsável da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC, na sigla original) termina, e Guterres está à procura de substituição. A UNFCCC é responsável por gerir os tratados que procuram estabilizar o clima na Terra e entrou em vigor em 1994. É a este organismo que é atribuído a organização das COP, Conferências do Clima. 

A UNFCCC foi criada na Cimeira do Rio, em 1992. E, desde então, dos seus cinco responsáveis máximos, só dois foram homens. A diplomata da Costa Rica, Christiana Figueres foi a figura mais carismática nos seus 28 anos de existência. Durante o mandato de Figueres foi assinado o Acordo de Paris, em 1995.

Merkel está a ser vista, por isso, como uma possível candidata ao cargo, até porque há tradição na ONU de convidar para postos cimeiros figuras de diferentes áreas geográficas (as duas últimas titulares são diplomatas da América latina).O Politico especula ainda que há outras candidatas debaixo de olho, como a antiga ministra dos Negócios Estrangeiros da África do Sul, Maite Nkoana-Mashabane, a responsável pelo ambiente nigeriana, Sharon Ikeazor, e ainda, a primeira-ministra dos Barbados, Mia Mottley, que causou forte impressão na COP26 em Glasgow pela defesa dos pequenos Estados-ilha. Com o prémio de a ilha ter em novembro do ano passado conquistado a independência da coroa britânica e ter-se tornado uma pepública autónoma.


Rainha Isabel II (esquerda) e Sandra Prunella Mason, a primeira Presidente da República (direita).
Barbados diz adeus à Rainha Isabel II e torna-se uma República
Barbados proclamou-se esta terça-feira oficialmente república, ao retirar à rainha Isabel II o título de chefe de Estado, numa cerimónia na qual esteve presente o filho da monarca britânica, príncipe Carlos.

A única exceção a esta lista de possíveis candidatas mulheres, especula o Politico, seria uma figura que sairia do gabinete do próprio Guterres, Selwin Hart, o seu conselheiro principal sobre ação climática.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas