Escolha as suas informações

"Poder concluir um curso de Medicina no Luxemburgo é um imperativo categórico"
Sociedade 12.01.2021

"Poder concluir um curso de Medicina no Luxemburgo é um imperativo categórico"

"Poder concluir um curso de Medicina no Luxemburgo é um imperativo categórico"

Foto: AFP
Sociedade 12.01.2021

"Poder concluir um curso de Medicina no Luxemburgo é um imperativo categórico"

Diana ALVES
Diana ALVES
Poder começar e terminar um curso de medicina no Luxemburgo é um "imperativo categórico", de acordo com a Fundação Idea. Na publicação semanal 'Edito de la semaine', o organismo alerta para "a situação já muito precária em termos de demografia médica" a que o país assiste.

Com base num inquérito recente da Associação Luxemburguesa dos Estudantes de Medicina (ALEM) – que mostra que 30% dos médicos em fase de especialização ambiciona exercer a profissão no país onde segue a formação –, a fundação lança um apelo ao Governo para evitar que esse cenário venha a confirmar-se. Segundo o organismo, a solução poderá passar por dar aos estudantes de Medicina a possibilidade de concluírem o curso no Grão-Ducado. 

A organização argumenta que, num futuro não muito longínquo o envelhecimento geral da população vai fazer disparar as necessidades em matéria de cuidados de saúde. E quem também não vai escapar ao envelhecimento da população são os próprios médicos. Segundo o estudo da ALEM, cerca de 60% destes profissionais deverão reformar-se até 2034.


Muitos estudantes luxemburgueses de medicina não regressam ao Grão-Ducado
Cerca de um terço dos estudantes de medicina que vão estudar para o estrangeiro não regressam ao Grão-Ducado após os seus estudos. A conclusão é da Associação luxemburguesa dos Estudantes em Medicina (ALEM) que realizou um estudo junto de 230 estudantes.

Com base nestes dados, a Fundação Idea estima também que o recurso maciço a mão-de-obra estrangeira venha a tornar-se cada vez mais difícil, já que os países fronteiriços também poderão enfrentar o problema da falta de médicos.

Com estas razões como pano de fundo, a fundação defende a criação de um curso integral de Medicina no Luxemburgo que implicaria automaticamente a abertura de um hospital universitário no país. Algo que, no seu entender, reforçaria também a capacidade de enfrentar novas pandemias ou qualquer outro desafio sanitário.

Além disso, uma faculdade de Medicina e um centro hospital universitário contribuiriam também, segundo a fundação, para a diversificação económica do Luxemburgo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.