Escolha as suas informações

Pétange. Mãe de Bianka julgada por morder companheiro de casa
Sociedade 2 min. 20.09.2022
Justiça

Pétange. Mãe de Bianka julgada por morder companheiro de casa

Justiça

Pétange. Mãe de Bianka julgada por morder companheiro de casa

Foto: Steve Remesch
Sociedade 2 min. 20.09.2022
Justiça

Pétange. Mãe de Bianka julgada por morder companheiro de casa

Sophie HERMES
Sophie HERMES
A acusação pediu 12 meses de prisão para Sarah B., que em dezembro vai também a julgamento pelo desaparecimento da filha em 2015, uma criança que tinha na altura um mês de idade.

O casal partilhava um apartamento em Pétange há 10 anos, mas a situação era tudo menos harmoniosa. Os incidentes repetiam-se e, a 8 de agosto de 2021, o conflito alcançou um nível crítico: Sarah B. terá alegadamente mordido o antebraço do companheiro de casa e feriu-o de tal forma que este ficou impossibilitado de trabalhar durante sete dias. A polícia foi chamada e a mulher foi detida e levada a tribunal.

A arguida, de 39 anos, não mostrou estar consciente da situação durante o julgamento. "Ele gosta disso", afirmou perante os juízes. Contudo, o homem não só tinha chamado a polícia como, em tribunal, tinha uma explicação completamente diferente para o incidente. 

Segundo o seu testemunho, naquele dia queria levar canábis medicinal para um conhecido, mas Sarah queria ficar com o produto, por isso começou a discutir com ele e, num instante, "foi do zero ao 100, ficou furiosa", recordou o homem.


Bebé luxemburguesa desaparecida há cinco anos. Justiça acusa a mãe
Cinco anos após o seu desaparecimento, não há rasto de Bianka Bisdorff. O Ministério Público quer agora levar a mãe da bebé a julgamento, no tribunal criminal. É o que revela esta quinta-feira um comunicado da daquela instituição judicial, que indica ter concluído o inquérito no final de 2019.

O caso de agosto de 2021 não terá sido o primeiro do género. Já tinha havido incidentes antes, envolvendo gritos e comportamentos violentos. A alegada vítima recordou que queria terminar a coabitação porque não tinha mais força mental para lidar com a situação, mas não podia simplesmente pôr a mulher fora da porta.

No final da sessão, a acusação pediu uma pena de prisão de 12 meses para a arguida, mas os juízes poderão passá-la a pena suspensa. O veredito será conhecido a 6 de outubro.

Julgamento pelo desaparecimento de Bianka em dezembro

Nos círculos judiciais, Sarah B. não era uma desconhecida antes do incidente em agosto de 2021. A mulher é mãe de Bianka, a bebé luxemburguesa que desapareceu a 2 de julho de 2015.

Nesse dia, a unidade de proteção de menores da polícia de Esch/Alzette deveria ter levado a menina de quatro semanas para uma instituição, segundo ordem de um tribunal de menores. Mas os agentes não conseguiram encontrar a bebé.

A 3 de julho, o Ministério Público (MP) abriu uma investigação contra a mãe de Bianka pelo sequestro da criança. Seis dias depois, o inquérito incluía acusações de infanticídio, homicídio, negligência de menores e violação dos direitos das crianças.


Mãe da pequena Bianka detida e suspeita do desaparecimento da filha
O Ministério Público do Luxemburgo diz em comunicado enviado à comunicação social que a mãe da pequena Bianka foi detida, e é suspeita de estar envolvida no desaparecimento da bebé.

Uma testemunha terá visto Sarah dirigir-se para a lagoa de Linger com Bianka a 15 de junho de 2015, mas terá voltado sem a criança. Seguiu-se uma grande operação de buscas, mas apenas foram encontrados vestígios de ADN de Bianka nas ruínas de uma estação de bombardeamento. A menina nunca apareceu.

A investigação foi dada por terminada em 2019. Contudo, Sarah B. irá ser julgada pelo desaparecimento da bebé a 6 de dezembro. O julgamento deverá durar duas semanas.

(Este artigo foi originalmente publicado na edição alemã do Luxemburger Wort.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Cinco anos após o seu desaparecimento, não há rasto de Bianka Bisdorff. O Ministério Público quer agora levar a mãe da bebé a julgamento, no tribunal criminal. É o que revela esta quinta-feira um comunicado da daquela instituição judicial, que indica ter concluído o inquérito no final de 2019.