Escolha as suas informações

Paris. Mais dois adolescentes assassinados por jovens
Sociedade 6 2 min. 12.03.2021 Do nosso arquivo online

Paris. Mais dois adolescentes assassinados por jovens

Paris. Mais dois adolescentes assassinados por jovens

AFP
Sociedade 6 2 min. 12.03.2021 Do nosso arquivo online

Paris. Mais dois adolescentes assassinados por jovens

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Alisha, de 14 anos foi agredida e atirada ao Rio Sena por um casal de namorados de 15 anos. Aymen, de 15 anos, foi baleado no peito por dois irmãos, um com 17 anos e morreu nos braços do pai. A violência juvenil está a aumentar em Paris.

Além das rixas de gangues, adolescentes estão a matar adolescentes por discussões e assédios, também na Île-de-France. Alisha, de 14 anos, foi agredida e atirada ao Rio Sena, afogando-se na segunda-feira, dia 8 de março, por um casal de namorados de 15 anos, seus colegas na escola que a assediava há algum tempo. Aymen, de 15 anos, faleceu nos braços do seu pai, vítima de uma bala no peito disparada no passado dia 26 de fevereiro devido a uma disputa com dois irmãos, um dos quais com 17 anos.


Luxemburgo. A morte de Rafael acordou o país para a violência juvenil
O assassínio do lusodescendente de 18 anos esfaqueado por dois rapazes de 15 e 17 anos chocou o o país. Outra jovem foi esfaqueada à porta da escola em Kirchberg. Uma psicóloga explica ao Contacto as causas desta violência. E o que tem de ser feito.

Argenteuil, Val-d'Oise está em choque com a violência e homicídio da adolescente Alisha. O casal de namorados, autor do crime está indiciado por homicídio e incorre numa pena de prisão que pode ir até 20 anos. O crime foi premeditado e os autores não mostraram “arrependimento imediato”, declarou a polícia. Nesse dia, a namorada terá combinado um encontro com Alisha e foram até à margem do rio, tendo o namorado se escondido. Apareceu de surpresa, agrediu-a no rosto e atirou-a ao chão, pontapeando-a nas costas e na cabeça. A jovem ainda estava consciente e gemia de dor quando o casal pegou nela e a atirou ao rio. Alisha afogou-se. O casal foi-se embora. Os dois foram para casa da mãe do rapaz, e contaram à progenitora que tinham discutido com Alisha e esta tinha caído ao rio. A mãe chamou logo a polícia.


 Baleado morre nos braços do pai

Dias antes outra morte por “um simples diferendo”. Aymen, de 15 anos, tinha tido um desacato com dois irmãos, de 17 e 27 anos, todos residentes em Bondy, em Seine-Saint-Denis. Dias depois estava Aymen, de 15 anos, com o pai na associação Espaço Mandela quando chegaram os irmãos de scooter e um deles apontou uma pistola a Aymen disparando contra ele. O agressor "viu o meu filho ali parado, deu-lhe um tiro no peito [...] A última palavra que ele [Aymen] me disse foi 'papá, estou mal", contou o pai Ahmed Kaid à France3. Ahmed Kaid viu o filho morrer nos seus braços.


França. Quando os gangues são de miúdos que matam miúdos
Em 15 dias, foram mortos dois jovens de 14 anos, e outros cinco ficaram feridos, em cinco batalhas de grupos de menores nos subúrbios de Paris. Três especialistas franceses explicam ao Contacto as razões e os perigos desta espiral de violência juvenil.


Numa reportagem da BFMTV os vizinhos de Aymen contam que “ele era um bom rapaz, e que tinha um bom futuro pela frente”. Era praticante de boxe, no clube de Bondy e um desportista promissor. O seu treinador Christophe Hamza está devastado: O adolescente foi morto “numa sexta-feira à hora em que estaria a treinar boxe”, se não fossem as medidas de restrição por causa da pandemia. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.