Escolha as suas informações

Pandemia e a "crise catastrófica" na Educação
Sociedade 03.03.2021

Pandemia e a "crise catastrófica" na Educação

Pandemia e a "crise catastrófica" na Educação

AFP
Sociedade 03.03.2021

Pandemia e a "crise catastrófica" na Educação

Estima-se que mais que 214 milhões de crianças tenham perdido três quarto das aulas por causa da pandemia. A denúncia é da Unicef.

Já há dados para quantificar os impactos da pandemia nos sistemas educativos de todo o mundo. Estima-se que, por praticamente um ano, 168 milhões de crianças tenham sido excluídas das aulas ditas normais. No alerta que evidencia uma "crise educacional catastrófica", a diretora executiva da Unicef, Henrietta Fore, acrescenta que cerca de 214 milhões de crianças tenham perdido mais de três quartos das aulas previstas nos programas escolares. 

Publicado logo nos primeiros dias de março, o relatório aponta para a gravidade do programa na América Latina e no continente africano. De facto, do Panama para baixo há 98 milhões de crianças em idade escolar. Do outro lado do Atlântico, só entre a África do Sul e do Leste, 49% dos alunos não tiveram sequer acesso ao ensino à distância. No Malaui, alguns alunos receberam tablets movidos a energia solar com unidades de ensino pré-programadas e, no Quénia, rádios movidos a energia solar, muito embora grande parte das crianças continue privada das aulas. 

Além das falhas na formação, a Unicef vai ao encontro dos avisos dos especialistas em saúde mental e desenvolvimento de todo o mundo. Mais do que resistir às aulas à distância num ambiente familiar, o braço das Nações Unidas para as crianças revela que "as crianças mais desfavorecidas pagam o preço mais alto”. Nesse sentido,  Henrietta Fore defende que “não devemos deixar pedra sobre pedra para manter as escolas abertas ou para dar prioridade à sua rápida reabertura”.

Por detrás da urgência, está a conclusão que mostra que os mais vulneráveis ​​e as crianças sem acesso à educação à distância correm um risco maior de nunca mais voltar à escola e de serem forçadas a casamentos infantis ou trabalho infantil. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas