Escolha as suas informações

Alcoolismo. Tratamentos com aumento de procura após confinamento
Sociedade 14.07.2021
Pandemia

Alcoolismo. Tratamentos com aumento de procura após confinamento

Pandemia

Alcoolismo. Tratamentos com aumento de procura após confinamento

Foto: Shutterstock
Sociedade 14.07.2021
Pandemia

Alcoolismo. Tratamentos com aumento de procura após confinamento

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A covid-19 tem tido um forte impacto na saúde mental, sobretudo os confinamentos, e isso reflete-se também no consumo de bebidas alcoólicas, afirmam os especialistas do Luxemburgo que tratam esta adição.

Durante o primeiro confinamento motivado pela pandemia 43% dos entrevistados de todos os países da OCDE, incluindo o Luxemburgo, afirmaram que passaram a beber com mais frequência.

“A pandemia tem exacerbado o problema do álcool em muitas pessoas. Durante o confinamento, houve quem começasse a beber demasiado, outros que já tinham um problema perderam o controlo”, explicou Claude Besenius, diretora dos centros de tratamento de adições CTU e ÄDDI-C. Durante o confinamento, o centro ambulatório ÄDDI-C esteve encerrado e muitos dependentes de álcool em tratamento neste centro “não quiseram ficar no hospital”, no internamento do CTU.

Após o desconfinamento, “a procura tornou-se muito elevada e tivemos uma longa lista de espera durante muito tempo. Agora as pessoas já começam a estar menos dispostas a vir, como sucede todos os verões”, esclareceu esta responsável, adiantando ainda que os centros de terapia na Alemanha “não aceitaram residentes luxemburgueses durante muito tempo, o que também aumentou a procura aqui”.


Álcool. As mulheres no Luxemburgo têm vergonha de pedir ajuda
As mulheres no Grão-Ducado estão a beber mais. Bebem o dobro da média europeia. Escondem a dependência porque a sociedade não as aceita. O alerta vem de quem as trata.

Também a psicóloga Michèle Pisani sublinhou que passou a haver uma “maior procura” pelos tratamentos de adições do álcool do que existia antes do confinamento”. “Há uma procura bastante elevada de pessoas em dificuldades psicológicas, também em relação ao seu consumo de álcool ou ao de um membro da família”, precisou.

Embora faltem estatísticas, Michèle Pisani perspetivou que “um certo número de pessoas irá consumir álcool para conseguir lidar com o sofrimento psicológico (ansiedade, depressão, entre outros)”, gerado pela crise da covid-19.

Com o regresso ao contacto social, após meses em casa, a dependência do álcool pode ser um dos efeitos nefastos do confinamento? “Potencialmente sim, mas é difícil saber se o confinamento e a pandemia causaram realmente dependência ou se apenas amplificaram um fenómeno pré-existente e menos pronunciado”, considerou Michèle Pisani.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas