Escolha as suas informações

Matapada de Moçambique
Sociedade 3 2 min. 16.06.2022
Gastronomia

Matapada de Moçambique

Gastronomia

Matapada de Moçambique

Sociedade 3 2 min. 16.06.2022
Gastronomia

Matapada de Moçambique

Ricardo J. RODRIGUES
Ricardo J. RODRIGUES
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. Trazemos-lhe uma receita de Moçambique.

Matapada de Moçambique

Só quando chegou ao Luxemburgo é que Haidar Laisse percebeu que, ou aprendia a cozinhar, ou nunca mais ia matar saudades de casa. Foi o primeiro cidadão do país a chegar ao Grão-Ducado depois da independência. "Cheguei em 1986. Havia algumas pessoas com ligação a Moçambique, sim, mas todas com passaporte português. Eu quase nem passei por Lisboa, vim direto de África e apanhei com o choque frontal", conta. 

O clima, a vida recatada, o bosque no lugar da selva. "Estava sozinho a enfrentar o mundo. Então comecei a ligar à minha mãe e às minhas irmãs a pedir as receitas dos nossos pratos. O caril de matapa foi uma dos primeiras refeições que me levaram de volta à zona de conforto. Não tinha aqui ninguém, mas tinha um sabor que me dava força para enfrentar a vida."

Na sua infância, era prato de todos os dias. "É comida de pobre, feita com as ervas do quintal e o marisco que o mar oferece a toda a gente", conta. Tem uma opinião muito própria que as melhores comidas do mundo são feitas assim, sem riqueza nem abundância. "Porque é aí que se percebe a mão de um cozinheiro, seja para temperar ou acrescentar os ingredientes no momento certo."

Filho de mãe indiano e pai africano lembra-se todos os dias dos odores da cozinha. "Em nossa casa, a hora das refeições era sagrada, ninguém podia falhar a chamada." E mesmo que tenha viajado para o outro lado do mundo como engenheiro civil, mesmo que tenha trabalhado e criado empresas de jardinagem na Europa Central, mesmo que ajude a liderar a associação que junta os 50 moçambicanos que aqui vivem, ele sabe que é na redução do caldo que a vida se resolve. O caril de matapa, bem vistas as coisas, é a melhor expressão que Haidar encontrou para explicar a sua raiz.

Matapada do Inhambane (para 6 pessoas)

Ingredientes: 

  • 12 metades de caranguejo azul 
  • 12 gambas
  • 6 caracóis do mar (bullot)
  • 1 mão cheia de camarão seco
  • 1,5 chávenas de amendoim moído
  • 400 ml de leite de coco
  • 250 gramas de folha de mandioca (matapa)
  • 3 tomates médios
  • 2 cebolas médias
  • 2 dentes de alho
  • Sal e piri-piri a gosto

Preparação: 

Num tacho, coze-se a matapa com o alho até a água das folhas de mandioca evaporar. Junta-se o tomate, a cebola, o sal e depois o leite de coco. Vai-se mexendo durante 35 a 40 minutos para o leite não levantar fervura. Quando está apurado, junta-se o caranguejo já cozido, as gambas cruas, os caracóis e o camarão seco. Cozinha-se em lume médio durante 20 minutos. Serve-se com arroz e farofa de milho.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. Trazemos-lhe a receita de uma das especialidades da Guiné-Bissau.
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. Aprenda a fazer um dos pratos típicos de Cabo Verde.
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de vários países lusófonos. O segundo país é o Brasil.
No Luxemburgo, pusemo-nos a experimentar a cozinha de Angola e do Brasil, de Cabo Verde e da Guiné-Bissau, de Moçambique, de Portugal e de São Tomé e Príncipe. Trazemos-lhes as receitas. E as histórias à volta da panela.